Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
190 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58697 )
Cartas ( 21227)
Contos (13016)
Cordel (10258)
Crônicas (22153)
Discursos (3160)
Ensaios - (9336)
Erótico (13467)
Frases (45898)
Humor (19093)
Infantil (4325)
Infanto Juvenil (3499)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1335)
Poesias (137808)
Redação (3033)
Roteiro de Filme ou Novela (1059)
Teses / Monologos (2423)
Textos Jurídicos (1942)
Textos Religiosos/Sermões (5395)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->O BANCO CENTRAL E MS ADVERTEM CUIDADO COM FUNDO PARLAMENTAR -- 31/10/2020 - 05:41 (HENRIQUE CESAR PINHEIRO) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

Os nossos antepassados

Criaram as famosas botijas

Para guardar seu dinheiro

Dele ninguém os alija

Longe de onde se defeca

E também de onde se mija.

 

Com a evolução do tempo

Para se guardar herança

Criaram o sistema bancário

Que trouxe mais segurança

Também dando algum ganho

Com rendimento na poupança

 

O sistema foi mudando

Com novos investimentos

E um outro portfólio

Surge a cada momento

Tendo o mercado de ações

Um dos seus maiores advento

 

Para a grana não parar

Criaram até o over night

Para dar ao investidor

Ganhos para o birinaite

Mas Color roubou a grana

Do povo e da socaite.

 

Esse ato impensado

Criou grande ‘RETOCESSO’

E guardar grana na cueca

Passou a ter bom sucesso

Mas como foi descoberto

Logo surgiu outro processo

 

E um nobre senador

Meteu dinheiro no reto

Junto com todo excremento

Daquele imundo e abjeto

Porém diante da polícia

Não conseguiu ficar ereto

 

Teve que ir ao banheiro

E lá do fim das costas

Expeliu muito dinheiro

Todo melado de bosta

Perguntado sobre a grana

Disse ser de uma aposta

 

Feita com um amigo,

Um famoso deputado,

Que guardaria o dinheiro

Onde não seria achado,

Pois o sistema da cueca

Já era muito manjado,

 

O fundo seria mais seguro

Mas que não tinha trocados

E o dinheiro depois

Ainda tinha que ser lavado.

O dedo não ir à língua

Se dinheiro fosse contado.

 

Mas pego pela polícia

O fundo foi grande fiasco

E a criação do senador

Só trouxe bastante asco.

Os colegas do excelência

Não querem mais o seu frasco

 

Até o Banco Central

Depois daquele assalto

Viu no fundo do senador

Como atender o Planalto

Mas já perdeu a confiança

No fundo daquele incauto.

 

E pra prevenir seus clientes

Contra esse maldito fundo:

O Banco pede: “Não aplique

Dinheiro em fundo profundo

Além de não render nada

O dinheiro sai imundo.

 

Com problemas de lavagem

A lavagem literal

Pela contaminação

De todo seu material

E pra regularizar

Na Receita Federal.”

 

 

 

HENRIQUE CÉSAR PINHEIRO

FORTALEZA, NOVEMBRO/2020

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 25Exibido 29 vezesFale com o autor