Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
106 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57043 )
Cartas ( 21170)
Contos (12600)
Cordel (10078)
Crônicas (22200)
Discursos (3134)
Ensaios - (9000)
Erótico (13395)
Frases (43638)
Humor (18454)
Infantil (3772)
Infanto Juvenil (2687)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1316)
Poesias (138232)
Redação (2924)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4851)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Rua e Vida -- 01/06/2008 - 14:41 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Poema para participação no Concurso CANON 2008/

- Tema : CIDADANIA um Direito de Todos)



RUA e VIDA



Como caixa de surpresa bem guardada

que floresce na esperada primavera;

uma rua muito minha se destaca

e abocanha minha alma na sacada.



Traz seus homens e mulheres arredios

como pássaros que voam esquecidos

e de longe e sem palavras, eu lhes digo:

há lugares para todos, meus amigos!



Nesses pisos de cimento como pistas

dançam longas esperanças de regresso

ou atendem os chamados de chegadas

entre lânguidos carimbos de pisadas.



Na verdade existem passos de muletas

entre todos que caminham nas calçadas

e se sujos, maltrapilhos ou engomados;

este palco sem desprezo igual abraça.



É bem certo que a cidade é às vezes fada.

Ou é fera, com seus dentes e fachada.

Aniquila de um piscar as ilusões ;

Faz de nós a fácil presa na caçada.



Mas será que é tanto assim, ou tudo ou nada?

Quantos pássaros nos fios dependuram

suas suspeitas desconfianças depenadas

-como nós; entre a tristeza e a enseada?



Na manhã em meio aos tantos apressados

eu cultivo a sensação de quase nada...

Como todos tenho planos e me ajeito:

ser feliz é ter paixão e ter projetos..!



Se nascer é não ter muito (ou mesmo nada)

deveria haver de fato alguma entrada:

para o mundo sem a fome e suas facadas;

dar a todos bom início nessa estrada...



Fico alegre quando enxergo os corações

que de peito aberto passam pelas ruas.

Que auxiliam quando não se paga nada;

e que gritam se os direitos se extraviam...



Cidadão também é o moço que de cara

faz milagres revendendo coisas raras.

Come fria uma marmita e dá risada.

Seus direitos são tatuagens- mas nem sabe!



Numa anômala acepção há quem se veja

com maiores- compactuados- privilégios.

Tenho pena de quem pensa em separado

sem tentar o Coletivo e sua beleza.



É por isso que o Direito é um Ser alado:

acredita na igualdade dos distintos;

enraizado em corações solidários.

Tem nas leis o seu jardim a ser plantado...



Mas talvez você me conte que a seu lado

não repare que haja alguma garantia.

E de fato, para haver Cidadania

é preciso construí-la a todo dia...



Necessário é compreender o que é a Vida:

tudo aquilo que a preserva em suas entranhas

tem direito de levá-la e comparti-la...

A cidade é fiel cenário da partilha!



Cidadão é quem convive em bem estar

por saber ser diferente embora igual.

Por saber que todo homem deve ter

o direito de viver para sonhar!

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 333 vezesFale com o autor