Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
217 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57839 )
Cartas ( 21203)
Contos (12784)
Cordel (10225)
Crônicas (22047)
Discursos (3145)
Ensaios - (9167)
Erótico (13442)
Frases (44874)
Humor (18816)
Infantil (4039)
Infanto Juvenil (3026)
Letras de Música (5489)
Peça de Teatro (1325)
Poesias (138432)
Redação (2970)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2414)
Textos Jurídicos (1931)
Textos Religiosos/Sermões (5120)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->CRIME -- 01/06/2008 - 14:34 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


CRIME



Banalizando a Morte

que mostra a língua

e perde a classe

(sua classe dolorosa

existencial

e suave)

arremessou brutal

seu ódio estúpido

na cria...



Era uma cria humana

com sensor de prazer

e dor

e que achava o sonho

em todas as coisas.



Achando lâminas

que cortam corpos

ou rudes coisas

que páram o sangue:

qual besta humana

ousou pensar

em prol do horror

da dor

do fim...



(reflexão sobre o fato HUMANO que consiste em um adulto conseguir

matar uma criança)

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 325 vezesFale com o autor