Usina de Letras
Usina de Letras
39 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 61963 )

Cartas ( 21333)

Contos (13252)

Cordel (10444)

Cronicas (22531)

Discursos (3236)

Ensaios - (10264)

Erótico (13560)

Frases (50382)

Humor (20001)

Infantil (5391)

Infanto Juvenil (4726)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1375)

Poesias (140718)

Redação (3290)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1956)

Textos Religiosos/Sermões (6142)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->Várzea dos Vagalumes -- 22/06/2007 - 18:00 (Airton Sampaio de Araújo) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
VÁRZEA DOS VAGALUMES

Airton Sampaio

Então, na manhã chuvosa, capinaram o mato virgem. O terreno irregular os pés ligeiros atrás da bola ajeitariam, alegria alada aquela nas infantes almas que saber íntimo tinham da $ombra, $oturna, sobre o sonho deles, $orrateira. Eis
o campo. E o campinho se fez. E o chamaram Várzea dos Vagalumes, por causa das muitas estrelas, naquele instante, no teresinense céu. Isso foi no primeiro dia.

Façam-se
as traves. E as traves ei-las, após fincarem, em cada lado e frente a frente, toras de talos de coco, duas delas entre si paralelas, a terceira perpendicular a ambas, estas que amarraram, a suficiente altura. Era o segundo dia.

Vamos
marcar o campo. E enfiaram, entrerrios, três talos dum lado, três do outro, as linhas de fundo e as laterais e a do meio assinaladas, assim. No terceiro dia, isso.

Noite seguinte reuniram para apreciar os luzeiros no firmamento do céu de Teresina e o campinho sob os luzeiros no firmamento do céu de Teresina. E viram que até sem a Estrela Grande podiam, se quisessem. E acharam bonito demais. Era, então, o quarto dia.

Aí soltavam pipas, outros costuraram a bola de meia, aindoutros teciam as redes de embira para nas traves, com cadarços velhos, amarrar. E só suspenderam um pouco o sonho quando Meninos,
hora já a de dormir, vocês. Elas, também, maravilhadas. Isso foi no quinto dia.

E quando a bola rolou, em meiga manhã de domingo, acertado estava que nada de juiz, barreiras, impedimentos, jogo perigoso. E a torcida dançava e cantava e pulava a cada lance, a cada gol, que eram muitos. E mais feliz ninguém ali podia não que tudo mais que gostoso. Era, já, sexto o dia.

Mas eles chegaram, os homens. Aqui
tem dono, saibam. Mas
abandonado estava, até agora, o terreno. Ora
aqui não é casa da Mãe Joana, não. Mas,
capitão, só mato, aqui. Tem
dono, isto. E derrubaram as traves, e chutaram as sinalizações, e empurraram as mulheres, e esmurraram os companheiros das mulheres, e tomaram, a cacetadas, as baladeiras, e quando os cães adestrados, por algum motivo secreto, recusaram avançar, veio a Polícia Montada que, mesmo os cavalos as patas mal equilibradas sobre as petecas multicores de toda parte atiradas, defendeu, a Briosa, a propriedade. privada. Diz
que de uma Igreja, ora vejam, o terreno. E nem atentaram que de miúdos olhos as lágrimas, em borbotões, desciam, eles apenas curumins que no regaço das mães se lançaram e se viram, enfim, (a)colhidos. No sétimo dia, isso.

Mas quando, semana depois, pela Noite parida Manhã outra veio descoberto o baldio terreno foi nas vagamundanças de Genésio, negrinho entanguido que anda às cambalhotas, mãos no chão, pés no ar. Então, sob intermitente chuvisco, capinaram o mato virgem...
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui