Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
110 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57047 )
Cartas ( 21170)
Contos (12612)
Cordel (10080)
Crônicas (22199)
Discursos (3134)
Ensaios - (9000)
Erótico (13395)
Frases (43641)
Humor (18455)
Infantil (3772)
Infanto Juvenil (2688)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1316)
Poesias (138234)
Redação (2924)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4852)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->SE -- 23/02/2008 - 17:42 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


SE



Se tivesse que jogar nossas loucuras

e livrar-me das pinturas que guardei;

se os espaços que trouxestes até mim

não tivessem mais os nomes que lhes dei;

se me visse – de repente- sem poder

esta falta que me fazes; entender...



A janela perderia quase tudo

e as manhãs não me dariam os palpites.

Os momentos de intervalo em que te trago

para ter você na ausência junto a mim

não seriam como portas a se abrir

convidando à viagem louca do prazer.



Eu teria que fechar sem volta alguma

e deixar que te esquecesse sem querer...

Como lua que se foi no antigo ano

-com seu brilho que era outro e se gastou-

e levou em sua valise os desencontros

dos amores de esta terra para o céu..!



(ao Wash)
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 341 vezesFale com o autor