Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
77 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57104 )
Cartas ( 21170)
Contos (12601)
Cordel (10092)
Crônicas (22212)
Discursos (3137)
Ensaios - (9014)
Erótico (13402)
Frases (43753)
Humor (18483)
Infantil (3791)
Infanto Juvenil (2715)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138312)
Redação (2926)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4889)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->APOTEOSE (miniconto) -- 01/03/2007 - 14:24 (Paccelli José Maracci Zahler) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
APOTEOSE

Cleidson era artista de rua.Passava mais de 8 horas por dia tocando a sua flauta doce, com o boné ao chão, onde recolhia algumas moedinhas jogadas por pedestres penalizados.
Mal conseguia o suficiente para o seu sustento.
Sabia que não podia ficar doente, do contrário, não teria como trabalhar, ganhar dinheiro e sobreviver.
Cleidson tocava e não era notado.
Às 10 horas de uma quinta-feira, Cleidson foi à praça da alimentação de um centro comercial. Comeu e bebeu do bom e do melhor, distraiu os seguranças e jogou-se de uma altura de 20 metros.
Seu corpo permaneceu exposto por cerca de 4 horas para investigação policial e perícia.
Foi o que bastou para o público reunir-se ao seu redor, tirando fotos com câmeras digitais e tecendo comentários sobre sua atividade como artista de rua.
Não faltaram repórteres dos principais jornais e televisões da cidade.
No dia seguinte, foi manchete em todos os meios de comunicação.
As fotos do seu corpo percorreram o país e o mundo via internet.
Naquela quinta-feira, a última de sua vida, atingiu o ápice de sua carreira.
Finalmente, tivera o reconhecimento público.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 21Exibido 1007 vezesFale com o autor