Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
117 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57526 )
Cartas ( 21184)
Contos (12609)
Cordel (10183)
Crônicas (22286)
Discursos (3141)
Ensaios - (9091)
Erótico (13416)
Frases (44301)
Humor (18624)
Infantil (3908)
Infanto Juvenil (2855)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138253)
Redação (2947)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2412)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4988)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Havia uma Tarde -- 02/11/2007 - 11:55 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Havia uma Tarde



Um céu cor de rosa e vestígio

assinalou a doçura do tempo,

e recobrando o sentido do céu,

espalhou-se.



Nos tetos de casas qual peças

estendeu-se o dominó:

uma cor arriscando o matiz

e algodão com sinais de carmim...



A igreja : com ares barrocos,

parece ter sonhos divinos

e alerta em seu canto de sinos

ignora as mundanas buzinas.



Alinha seus picos passados

fazendo um sinal para o céu.

E toca as baladas serenas

que os carros apagam sem dó.



A luz se resolve sem prece

dizendo que vai para o além

e a noite, vestida de atraso,

desponta ocupando o espaço.



Pessoas recolhem seus corpos

deixando de lado seus sonhos.

Quem sabe? Levando com elas

qual luz, que retorna depois...
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui