Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
88 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57362 )
Cartas ( 21181)
Contos (12599)
Cordel (10135)
Crônicas (22251)
Discursos (3139)
Ensaios - (9064)
Erótico (13414)
Frases (44118)
Humor (18580)
Infantil (3845)
Infanto Juvenil (2799)
Letras de Música (5476)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138535)
Redação (2942)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2408)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4942)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Da Amiga do Cético mais apaixonante do Mundo e da Nossa ... -- 13/11/2006 - 02:57 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Da Amiga do Cético mais apaixonante do Mundo e da Nossa pobre Natureza Humana...
( ou : viagem fantástica à inspiração da Esfinge)

Lendo as emoções das pessoas, uma esfinge retrata seu ser de bronze no céu emudecido. Esfrega seu mistério na face da cidade e engancha as almas hipnotizando-as com etiquetas de ilusões. É dona da atmosfera civilizada por direito pré- histórico e saúda seus deuses eternos, que lhe permitem brincar.
Nós humanos ignoramos que fazemos parte desse universo paralelo que nos guia- e conduzimos a existência cheios de convicções inúteis : as horas e os resquícios de Tempo que achamos dominados, são apenas cartazes de neón embebido em ilusão outra vez herdada da nossa humana natureza . E a esfinge, Deusa Bela de notívaga performance nina nossos sonhos como aranha cautelosa que cuida de sua teia .
E desdenha, faz pequena a nossa pena de criança que lamenta. Provocante e irrisória, pouco crente, abandona o que cativa e vai embora - boca cética , olhar descrente : vai contar a seu amigo- um dos poucos que outrora tivera, que até hoje cultiva – provavelmente porque ainda a domina – mesmo parado e aflito com a realidade dos homens, ainda longe, no Infinito. Vai beijar os lábios livres do pensamento de Sartre, livre e dono de seu mundo- que a espera para o vinho- sentado no cinza do limbo, a brincar de filosofar.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui