Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
48 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57107 )
Cartas ( 21170)
Contos (12599)
Cordel (10092)
Crônicas (22211)
Discursos (3137)
Ensaios - (9015)
Erótico (13403)
Frases (43759)
Humor (18486)
Infantil (3792)
Infanto Juvenil (2717)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138313)
Redação (2926)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4891)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->O PERIGO DA ARTERIOSCLEROSE -- 29/08/2003 - 21:42 (ANTICRISTO) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Campanha alerta aos riscos de uma doença silenciosa: a ateroesclerose 29/08/2003 Uma doença que afeta 5% dos brasileiros com mais de 50 anos virou alvo de uma campanha da Sociedade de Angiologia e Cirurgia Vascular. Os médicos dizem que a ateroesclerose pode ser controlada. O gerente de vendas Jocis Nunes anda o dia inteiro na loja de automóveis usados. Um esforço que, até março deste ano, exigia sacrifício. "Eu andava 50 metros, já estava com as pernas doendo, cem metros então eu estava com uma dificuldade bem maior", lembra Jocis. Ele teve ateroesclerose, depósito de gordura e cálcio nas paredes das artérias grandes e médias. A doença produz obstruções e compromete a circulação do sangue. Os fatores de risco são fumo, diabetes, colesterol alto, obesidade, vida sedentária e fatores genéticos. A ateroesclerose pode atingir qualquer parte do corpo. Mas em 84% dos casos, as pernas são as mais afetadas. A doença é invisível e avança silenciosamente. O principal sintoma, a dor, só aparece quando a obstrução já ocupou mais da metade da artéria. No estágio moderado, a doença pode ser tratada com medicamentos. Foi assim que o aposentado Damazo de Oliveira conseguiu retomar um prazer que parecia perdido. Fazer pequenas caminhadas sem dores. "Acima de 500 metros, até 1 quilômetro eu ando sem sentir nada", comemora Damazo. Mas quando a obstrução aumenta até chegar ao ponto em que a dor impede o doente de andar, é preciso operar. Com a dona de casa Glória foi assim. Depois de quatro cirurgias, ela leva uma vida praticamente normal. "Só depois dessas cirurgias é que eu tive mais condição de caminhar. Varrer uma casa, ficar muito tempo em pé. Hoje eu posso considerar que eu estou uma pessoa em condições", diz Glória. Para os médicos, só há um caminho para prevenir a ateroesclerose. Melhorar a qualidade de vida.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui