Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
47 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59127 )

Cartas ( 21236)

Contos (13112)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46510)

Humor (19279)

Infantil (4457)

Infanto Juvenil (3725)

Letras de Música (5478)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138227)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5523)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Pimenta nos olhos... -- 24/07/2004 - 10:59 (fernanda araújo) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. Em Divinópolis, nas décadas de 50/60, quem quisesse se distrair um pouco, aos domingos, só havia um caminho: Cinema! Parecia que toda a moçada da cidade, a partir das 13 horas, baixava no quarteirão onde ficava o Cine Popular. Ficava por ali conversando, namorando até chegar a hora da matinê.
Em nossa casa, a programação era totalmente diferente. Depois de todos os afazeres prontos, poderíamos estudar, fazer os deveres de escola ou, de vez em quando, ir à casa de nossa avó que morava na roça, que nós chamávamos de Fazenda do Pontal. Meu pai, apesar do baixo poder aquisitivo, conseguira comprar uma pequena camionete. Para nós foi uma festa ter uma condução desse naipe, pois sempre andávamos a pé. Quando saía a família toda os “passageiros” eram assim distribuídos: minha mãe e os filhos menores iam na “boléia”. As filhas - que eram mais velhas - iam na carroceria. Para ir à casa de nossa avó, o único caminho era justamente aquele onde a turma ficava aguardando a hora do cineminha. Certo domingo, lá íamos nós felizes da vida, dar nosso passeio. Felizes sim, mas só com um constrangimento: passar de camionete, na carroceria, perto daquela moçada, já que éramos adolescentes e um pouco de vaidade já se despontava em nós naquela etapa da vida. A camionete devia fazer uns 20 km por hora(!), mas nossa expectativa era que “aquele pedaço” do caminho passaria rapidinho. Mas a verdade é que parecia um século e para nossa maior angústia, naquele dia, ela resolveu “afogar” ali mesmo – bem em frente ao “jovem aglomerado”. E adivinha quem teve que descer da carroceria e empurrar a dita cuja para que ela “pegasse” e continuássemos a viagem? Eu e a Luzia – minha irmã mais velha! Queríamos é que abrisse um buraco ali no chão onde pudéssemos nos esconder. Esta história é sempre relembrada nas reuniões de família e como “pimenta nos olhos dos outros é refresco” a turma ri de rolar!
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui