Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
236 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58113 )
Cartas ( 21211)
Contos (12845)
Cordel (10239)
Crônicas (22074)
Discursos (3147)
Ensaios - (9222)
Erótico (13451)
Frases (45255)
Humor (18930)
Infantil (4145)
Infanto Juvenil (3226)
Letras de Música (5505)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138690)
Redação (2995)
Roteiro de Filme ou Novela (1057)
Teses / Monologos (2417)
Textos Jurídicos (1934)
Textos Religiosos/Sermões (5245)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Poema do Tom por 16 anos atrás -- 29/06/2007 - 22:59 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Poema do Tom

por 16 anos

atrás



Não te deixei pendurado,

esperando-

como vendaval arrumado, desordenado.;

abrindo janelas e portas de par em par...

Não te deixei domar o meu senso

-lamentavelmente-

como fariam os anúncios do amor enlouquecido

dos meus vinte anos.

E então eu te pergunto

por quê?

Por quê não gritaste alucinado,

como grita a cegonha que se fere,

as gaivotas,

os marujos na noite, no meio do mar..?

Porque -creio- não reconhecestes o poder

que tinhas sobre mim

como o mar,

como a lua,

como um Tu alucinógeno e permissivo,

como um poema que aparece-

impossível de calar :

porque tú

embora tenhas aparecido-

não quiseste

me devorar...
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 2Exibido 338 vezesFale com o autor