Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
222 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57916 )
Cartas ( 21200)
Contos (12735)
Cordel (10224)
Crônicas (22343)
Discursos (3145)
Ensaios - (9158)
Erótico (13440)
Frases (44825)
Humor (18801)
Infantil (4034)
Infanto Juvenil (3001)
Letras de Música (5487)
Peça de Teatro (1324)
Poesias (138563)
Redação (2966)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2414)
Textos Jurídicos (1931)
Textos Religiosos/Sermões (5104)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Enquanto o amor não chega -- 02/05/2007 - 03:33 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


Enquanto o amor não chega

(ao amor que ainda não tive)



Tens a ligeireza do lençol freático:

és como a circulação – e eu sou a Terra.

Arrastas tua vitalidade pelos bastidores

sem mostrar que trazes a vida inteira,

que carregas o alento,

que percorres entranhas...



Sem você não florescem minhas sempre-vivas,

não cantam seu verde os bambus corpulentos.

Sem ti não se estendem os cantos das aves

nem ficam em festa as cachoeiras e os liquens...

As rochas se apagam, o mar se entristece.

E somem os musgos cansados de espera.



Entre todas as selvas teu poder é o do sol,

daquele que acorda as maiores feras,

que imita o calor sem igual das lareiras,

que promete o amanhã...que sacode a poeira.

Sem você não há rimas, amor, primavera.

Com você enfrento tudo : os incêndios, as guerras...



Eu te digo porém: tudo bem, se não chegas.

Não me canso do frio, nem da chuva ou da espera.

Na verdade nem sei qual o nome que levas!

Eu só sei que tu existes – pode ser que nem veja..!

Sempre-vivas e aves, os bambus e as estrelas

Todos tem vida longa, tem passado entre as eras!



Por enquanto eu aguardo.

Nesta louca existência, nós fazemos o encanto!

(Ou então, como bichos, dormitamos num canto!)

Eu preciso utopias: toda noite esta lua vou de baixo mirando.

Talvez sim, tenha sorte - e na lua atirando,

Ninguém sabe meu bem, se não estou te acertando!



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 604 vezesFale com o autor