Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
73 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57371 )
Cartas ( 21181)
Contos (12601)
Cordel (10136)
Crônicas (22254)
Discursos (3139)
Ensaios - (9064)
Erótico (13414)
Frases (44125)
Humor (18582)
Infantil (3845)
Infanto Juvenil (2801)
Letras de Música (5476)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138536)
Redação (2942)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2408)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4944)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->As Insones -- 18/04/2007 - 02:52 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


As Insones



Sereias

de mar e guerra.

Inteiras como faróis

norteiam os pescadores.

Aqueles.; das ilusões.



São lobas, bichos insones...



Avisam que vão à luta-

mas sem pudores.

Escalam riscos e pensamentos-

como gigantes :

cuspindo flores!



E tem segredos- luas e dores...



Avisam mesmo

ficando quietas.

Pior que chuva é a calmaria!

Quando resolvem tecer a vida

constroem pontes, túneis e amores...



É conveniente deixá-las vivas.



Sei dessas almas feito mulheres

que perambulam nos corações.

Tingem os corpos como miragens.

Aprendem beijos, rituais e toques...



É conveniente deixá-las quietas...



Geram filhotes, fazem lições,

escrevem coisas, carregam água.

Driblam os genes mudando o mundo.

Criam momentos, engolem fogo.



Perdem o rumo.

Casam, arrumam.

Quando cativam devoram homens...

Mesmo sozinhas...

Bichos insones!







Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui