Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
214 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59012 )

Cartas ( 21232)

Contos (13075)

Cordel (10287)

Crônicas (22188)

Discursos (3163)

Ensaios - (9397)

Erótico (13483)

Frases (46345)

Humor (19241)

Infantil (4416)

Infanto Juvenil (3659)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1335)

Poesias (138112)

Redação (3046)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2425)

Textos Jurídicos (1940)

Textos Religiosos/Sermões (5486)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->MODELOS DE CORTES DE CABELOS -- 31/07/2016 - 17:52 (Benedito Generoso da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. MODELOS DE CORTES DE CABELOS

I

Se o pecado é saborear
Uma fruta proibida
Todos nascem pecadores
Pela entrada sem saída
Pois numa tarde ou manhã
Comendo a doce maçã
O pai ama a mãe querida.

II

Com treze anos de vida
Eu fiquei muito assustado
Ao ver meu saco peludo
E o pinto liso e pelado
Na bunda crescendo pelos
Pretos da cor dos cabelos
E o peito encabelado.

III

Ninguém me tinha contado
Que concha não é colher
E alhos não são bugalhos
Nem mágoa é malmequer
E que o conto da cegonha
Conta-se por ter vergonha
Que homem vem de mulher.

IV

Não me disseram sequer
Que surgimos do macaco
E que a gente ressurge
Provindo de um buraco
Sem acesso a uma buceta
Logo soube que a punheta
Saciava a sanha do saco.

V

A mulher é o meu fraco
Eu vivo e que ela viva
Dou-lhe um beijo de língua
Molhada em sua saliva
Seja na vida ou na morte
O meu abraço é mais forte
Naquela que me cativa.

VI

Mulher é mui criativa
E não para de inventar
Por isso mesmo ela inova
No recinto de seu lar:
Com uma lâmina afiada
Ou com máquina zerada
Deixa a xana sem pentear.

VII

Eu é que não vou cobrar
Preço caro ou barateado
Da dona que orna a xota
Do jeito de seu agrado
Mas eu quisera ser pente
Pra pentear diariamente
O seu monte encrespado.

VIII

Buscando fazer agrado
A mulher sempre enfeita
Com adornos sua buceta
Para deixá-la perfeita
Do jeito que homem gosta
E não perde sua aposta
No amado com quem deita.

IX – CORTE TRIÂNGULO

Num triângulo ela ajeita
Os pelos sobre sua xana
É o enfeite tradicional
Corriqueiro da semana:
Pequeno grande ou médio
E com esse seu assédio
A malvada não se engana.

X – CORTE MOYCANO

Moycano é o corte bacana
Para quem quer variar
Que é uma tira de pelos
No molde retangular:
Começa em cima e termina
Logo abaixo da vagina
Antes do ânus se iniciar.

Xi – CORTE FIO MARAVILHA

Mulher que quer inovar
Achando-se moderninha
Adota o fio maravilha
Deixando a vulva lisinha
Com uma tira de pelinhos
Pra deixar escondidinhos
Encantos da xoxotinha.

XII - CORTE PUNK

Seja princesa ou rainha
É uma mulher antes disso
Que tratando-se de adornos
Apela para o feitiço:
Do corte punk se enfeita
Raspa os pelos e os ajeita
Para crescerem com viço.

XIII – CORTE MATA ATLÂNTICA

Mesmo em meio a reboliço
Convém alguma ciência:
Eis o Corte Mata-Atlântica
Que é uma consequência
Da buceta descuidada
Cabeluda e desgrenhada
Com natural aparência.

XIV – CORTE MODELO MILITAR

Sem arte e experiência
Há quem faz por desleixar
E a mulher militariza
Sua xana para adornar:
Só raspa os pelos do lado
Qual cabeça de soldado
Em um quartel militar.

XV – CORTE DA MODA EM “V”

Toda mulher que quer dar
Melhora a sua buceta
E assim corta os pentelhos
Como lhe vêm na veneta
Faz de tudo e o que pode
Deixando até um bigode:
Forma de “V” pro chupeta.

XVI – CORTE À BARBA DE BÊBADO

Com afoiteza não meta
Sua língua ao chupar
A xana meio barbada
Porque pode se cortar:
Cuidado quando a usa
Pois o bêbado que abusa
Sai com a língua a sangrar.

XVII

Vou este corte explicar
Pra quem está em jejum:
Os pelos são aparados
Com uma máquina um
Deixa a xana uma beleza
Só que fere com crueza
Língua até de não bebum.

XVII – CORTE NA FORMA DE CORAÇÃO

Essa é boa e para algum
Seleto por sua amada
Que em forma de coração
Corta os pelos da assanhada
E grita para o amante:
Retese o arco bastante
E me dê uma flechada.

XVIII – O CORTE DA NOTA DEZ

Seja peluda ou pelada
Toda buceta eu venero
O importante é ter prazer
Com aquela que eu quero
Sobretudo quando ela
Goza também e se mela:
Essa mulher eu espero.

XIX

Dentre as que eu considero
Basta mesmo é ser mulher
Pelos da xana que cresçam
Como lhes mais convier
Mesmo após tantos trancos:
Pretos grisalhos ou brancos
Sempre acham quem os quer.

XX

Toda mulher que me der
É pra mim mui atrativa
Seus pelos fazem apelos
E eu sacio qualquer diva:
Seja peluda ou pelada
Leva a minha flechada
E do prazer não se priva.

XXI

Se você ainda está viva
Não fique aí desejando
E a enfeitar sua buceta
Até não se sabe quando:
Seja manjada ou donzela
Talvez você seja aquela
Que eu estou esperando.

BENEDITO GENEROSO DA COSTA

Enviado por Benedito Generoso da Costa em 31/07/2016
Código do texto: T5714899
Classificação de conteúdo: moderado
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar a autoria de BENEDITO GENEROSO DA COSTA e sua página no site: http://www.recantodasletras.com.br/escrivaninha/publicacoes/index.php). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 101Exibido 316 vezesFale com o autor