Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
48 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59032 )

Cartas ( 21233)

Contos (13075)

Cordel (10287)

Crônicas (22188)

Discursos (3163)

Ensaios - (9399)

Erótico (13482)

Frases (46375)

Humor (19246)

Infantil (4422)

Infanto Juvenil (3669)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1335)

Poesias (138127)

Redação (3048)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2425)

Textos Jurídicos (1943)

Textos Religiosos/Sermões (5490)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->RETRATO DE PORTUGUÊS -- 26/06/2016 - 00:00 (Benedito Generoso da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.
RETRATO DE PORTUGUÊS

I

Piadas de português
Já ouvi até de bacharel
Muitas outras do caboclo
Em cassino ou no bordel
Esta que acabei de ouvir
Eu vou aqui reproduzir
Versejando em cordel.

II

Um neto de Manoel
Que é filho de Joaquim
De Portugal veio ao Brasil
Tentar sua sorte enfim
Para variar é o Antônio
E sonha com patrimônio
Num País Tupiniquim.

III

Sentiu saudade sem fim
Dos seus pais em Portugal
E disse de si pra consigo:
"Tudo bem e nada mal
Eu vou tirar meu retrato
E lhes mando por um jato
Isto já é um bom sinal".

IV

Feriadão de Carnaval
Que é a alegria do povo
Veste-se Antônio depressa
De gravata e terno novo
Põe o seu boné vermelho
E diante dum espelho
Ele se acha um renovo.

V

“Esta foto eu aprovo”
Diz de consigo pra si
E acabou de se lembrar:
"Hoje é feriado aqui
Nem que procure na lista
Não acharei retratista
Que fotografe o que vi".

VI

"Este espelho em que revi
A mim mesmo retratado
Vou colocar numa caixa
E depois desse feriado
Enviarei aos meus pais
Cuja saudade é demais
Lá da terrinha do Fado".

VII

Assim fez como pensado
O Antônio português
Na Quarta Feira de Cinzas
Ele não perdeu a vez
De estar numa longa fila
Lá no Correio da vila
Sem senão e nem talvez.

VIII

Oh! Quanta insensatez
Melhor quiçá inocência
Do velho pai de Antônio
No abrir a correspondência
E se deparar com o espelho
Olhou e ficou vermelho
Não vendo a coincidência.

IX

Porque não teve ciência
De que a si mesmo se via
Chamou logo sua esposa
Enquanto a ela dizia:
- Eis aqui nosso Toninho
Que parece tão velhinho
Decerto foi da boemia.

X

Gritou a velha de alegria:
- Deixa-me ver nosso filho
Oh! Como está tão acabado
Parece até um andarilho
Coitado, também pudera,
Ele co’essa bruxa fera
Só podia estar maltrapilho.

BENEDITO GENEROSO DA COSTA

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Benedito Generoso da Costa e sua página no site Usina de Letras: http://www.usinadeletras.com.br/exibelotextoautor.phtml?user=GENEROSO). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 101Exibido 332 vezesFale com o autor