Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
121 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57005 )
Cartas ( 21168)
Contos (12596)
Cordel (10072)
Crônicas (22187)
Discursos (3134)
Ensaios - (8995)
Erótico (13393)
Frases (43601)
Humor (18446)
Infantil (3771)
Infanto Juvenil (2671)
Letras de Música (5469)
Peça de Teatro (1316)
Poesias (138212)
Redação (2924)
Roteiro de Filme ou Novela (1054)
Teses / Monologos (2400)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4847)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Poema de Sexta à Noite -- 24/02/2007 - 01:10 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


Poema de Sexta à Noite



Alinhavei numa seqüência as emoções

enrolando suas beiradas em canções:

como cantos solitários e pingentes

sem querer, atravessando corações.



Dei de cara com pessoas e projetos

-corações de projéteis e canhões.

Outros sim : doces e lânguidos amores

que no olhar derramam luz como favores.



Tanta gente e tantas dores. Sou alguma.

Não me furto à minha mesmice ou parecido,

nem sufoco pelo igual , pelo sentido.

Somos partes, somos uns. Somos amigos.



Mesmo próximos e amigos com vestígio

sinto assim a solidão no meu caminho.

Tão longínquo o sentimento do “contigo”.;

tão perfeito e dolorido quanto é vivo.



Agarrar todas as vozes e os olhares

como vasos que florescem nas varandas,

como almas, como luzes, como flores.;

alinhavo atravessando minhas dores.



Ou talvez : como castigo por ser só

e por amar o som do mar nos caracóis,

tenha que andar a redimir meus alinhavos

como uma sombra: sem amores!

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 381 vezesFale com o autor