Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
101 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57379 )
Cartas ( 21181)
Contos (12605)
Cordel (10139)
Crônicas (22258)
Discursos (3139)
Ensaios - (9064)
Erótico (13414)
Frases (44138)
Humor (18585)
Infantil (3847)
Infanto Juvenil (2802)
Letras de Música (5476)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138546)
Redação (2942)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2408)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4944)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->A história do pranto -- 10/02/2007 - 21:23 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


A história do pranto



No canto do Tempo

há um pranto.

Olhá-lo é convite e ingresso.



Arrumo de tudo e o esqueço.

Penduro suas vestes num quarto.;

e faço de conta que o deixo.



Espelho que fica, coberto:

não quero o confronto reflexo,

em outras palavras : ignoro.



Lençol qual fantasma, que dorme.



Mudou-se o amor.

E a vontade de amar permanece

qual gana de vida.



Não tem nem lugar, nem pertences,

é queixa que esbarra nas coisas,

é coisa, que esbarra nas queixas.



Relógio que bate no instante,

e pendura em ponteiros o aguarde:

não posso comprar teu sotaque.



Trazido em caixinhas com rostos

me chegas em mágico alarde,

depois me penduras as vestes.



Te escondes de mim, te convences

de bom .; te convertes em triste.

E em nomes.;

com cara de gente!







Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui