Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
97 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57395 )
Cartas ( 21182)
Contos (12616)
Cordel (10141)
Crônicas (22260)
Discursos (3139)
Ensaios - (9065)
Erótico (13414)
Frases (44153)
Humor (18595)
Infantil (3853)
Infanto Juvenil (2804)
Letras de Música (5476)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138563)
Redação (2942)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2409)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4945)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Normas e Rotinas -- 19/01/2007 - 10:00 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


NORMAS E ROTINAS



Liso como o gelo e aberto ao ar

permanece o segredo desvelado por urgência.

A alma exposta ao público olhando qual prisioneiro

como se dela dependesse confessar alguma pena.



São permitidas as lágrimas, risos, pensamentos-

mas são proibidos esconderijos , como se fossem criminosos,

como se os cantos escuros não permitissem a vida.

Grande mentira escolhida como verdade absoluta!



Quem disse a ti, pobre pessoa instruída-

qual monitor com antena e fios, ao invés de artérias,

que somos feitos em moldes, que temos guia,

que a direção desta vida, que é vida nossa, é sua?



Tua vida inteira pertence

ao teu coração misterioso

que finca o sangue e o escorre para dizer que está vivo.

Planta centelhas em nomes, busca os anzóis pelos olhos,

sabe o mistério das almas, pesca no instante do beijo.



Jogue pro alto tuas dores, leve até o sol teus anelos.

Quebre os esquemas pautados, derrote as normas alheias,

Cante e abrace com força e volte a esconder seus segredos

Que eles são teus, te pertencem – e tua vida, é tua!

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui