Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
95 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57502 )
Cartas ( 21184)
Contos (12607)
Cordel (10175)
Crônicas (22280)
Discursos (3141)
Ensaios - (9088)
Erótico (13415)
Frases (44274)
Humor (18616)
Infantil (3901)
Infanto Juvenil (2847)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138230)
Redação (2946)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2411)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4980)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Poema da Noite -- 17/01/2007 - 10:05 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Poema da Noite.



De manhã há uma saudade que não fala nada.

Detêm-se as orgias, os contos, os medos

e os dedos de faca dos monstros de infância.

Penduram-se todos e esperam a Noite

escondendo em silêncio uma ausência marcada.



Nos pontos calados dos cérebros mortos,

-acreditam as crianças-

habitam malucos com dentes de ouro

que levam cartolas brilhantes e pretas.

Fantástico acordo fizeram com o medo!



Coitada da Noite:

está em desespero!

A avó ou a menina contando mentiras

e monstros astutos pra cama mais cedo.

Crianças com medo, a Noite é culpada!



A parte da Noite que adultos não contam

(no quarto vizinho teremos orgias).

Sem monstros,sem medos, com muito prazer!

Prazer que é à Noite e embriaga de Dia.

O Dia roubando o noturno prazer!



Injusto e covarde, faltando essa parte,

roubaram da Noite contar dos amantes...



Por isso as crianças, crescendo em paixão

à Noite se escondem e se amam nos muros

sem medos, sem monstros : com muito prazer!

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui