Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
109 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57014 )
Cartas ( 21168)
Contos (12608)
Cordel (10073)
Crônicas (22188)
Discursos (3134)
Ensaios - (8996)
Erótico (13393)
Frases (43608)
Humor (18447)
Infantil (3772)
Infanto Juvenil (2676)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1316)
Poesias (138217)
Redação (2924)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2400)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4847)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Desencontro -- 23/12/2006 - 03:38 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos




Poema classificado em 2o lugar no Concurso Antologia Delicatta

Dezembro 2006



DESENCONTRO



No sabor da madrugada, compilo.

Guardo as perguntas-

e como alma que esbarra na escada

me nego a perder teu silêncio.



De sorte de ser parte tua,

abandono esse lado da estrada e sem rima

ou apenas dançando na sala,

desfaço-me : artérias e veias.



Tenho dois candelabros sem vela que apenas

esperam, te invocam...

Trazem teus olhos abertos

como pedras preciosas que lembram



Imagino pessoas e bocas e cantos e mãos:

já não sei se sair nesse mundo buscando teu cheiro

acalma ou me mata.

Não me destes teu salvo conduto

Mas fincastes em mim teu anzol.



Nesta estrada do meu coração

há camisas, relatos, compassos.

Há canções tingidas de afeto

e uma lua com nome e com voz.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 369 vezesFale com o autor