Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
89 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57395 )
Cartas ( 21182)
Contos (12616)
Cordel (10141)
Crônicas (22260)
Discursos (3139)
Ensaios - (9065)
Erótico (13414)
Frases (44153)
Humor (18595)
Infantil (3853)
Infanto Juvenil (2804)
Letras de Música (5476)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138563)
Redação (2942)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2409)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4945)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Palavras -- 16/12/2006 - 12:08 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


Palavras



Engulo as palavras sem entender de onde vem

e depois as cuspo.

Escravizá-las é crueldade, mas alivia.

Trazem todos os presságios da existência,

até mesmo os questionáveis.



Passam como túneis e me levam,

desesperam e me comem sem sequer me digerir,

tão somente me abraçando- e eu chamando

como num barco de pano- como em mar de papelão...

e não encontro a canção.



Parecem trens desordenados,com almas retangulares:

palavras vivas e desajeitadas, coloridas e sem cor.

Palavrinhas, palavrões - sem pudor e sem licença.

Locomovem corações, desajeitam discrições e me apontam,

como flecha, as emoções.



Resgato em filmes mentais – como arquivo - más palavras

e as enfeito como luas.

Transformadas e esquecidas, rotuladas, ficam mudas.

E na rua de barulhos com vestígios de carro

surgem todas as palavras,

como estalo- e me enlouquecem...

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui