Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
104 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57389 )
Cartas ( 21182)
Contos (12609)
Cordel (10139)
Crônicas (22260)
Discursos (3139)
Ensaios - (9064)
Erótico (13414)
Frases (44153)
Humor (18587)
Infantil (3850)
Infanto Juvenil (2804)
Letras de Música (5476)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138551)
Redação (2942)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2408)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4944)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->Eu e Catulo da Paixão -- 17/09/2014 - 14:58 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Quando eu era menino


Ou tava quase pra nascer


 Eu via o povo dizer


Que a flor do maracujá,


 era a paixão de Cristo


Mas  eu não tinha visto, 


Dito assim em poesia


Por Catulo da Paixão:

 


 
“Nosso sinhô Jesus Cristo, 


Foi condenado a morrê, 


Numa cruis crucificado, 


Longe daqui como o quê, 


Pregaro cristo a martelo, 

E ao vê tamanha crueza, 

A natureza inteirinha, 


Pois-se a chorá di tristeza.

 



Chorava us campu, 

As foia, as ribeira, 

Sabiá tamém chorava, 

Nos gaio da laranjera, 


E havia junto da cruis, 


Um pé de maracujá, 


Carregadinho de frô, 


Aos pé de nosso sinhô.

 


 


I o sangue de Jesus Cristo, 


Sangui pisado de dô, 


Nus pé du maracujá,

 
Tingia todas as frô, 


Eis aqui seu moço, 

 

A estória que eu vi contá, 


A razão proque nasce branca i roxa, 


A frô do maracujá.”
 

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui