Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
102 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57012 )
Cartas ( 21168)
Contos (12603)
Cordel (10073)
Crônicas (22187)
Discursos (3134)
Ensaios - (8995)
Erótico (13393)
Frases (43603)
Humor (18446)
Infantil (3772)
Infanto Juvenil (2676)
Letras de Música (5469)
Peça de Teatro (1316)
Poesias (138216)
Redação (2924)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2400)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4847)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Pedras -- 19/10/2006 - 04:41 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Pedras



Busco!



Qual sombra ao relento

-eu : peregrino sedento!-

O testemunho da Terra nas pedras dormidas.

Contornos barrocos de tempos longínquos,

matéria espremida

no canto da estrada.



Estrada faminta de sonhos e beijos.;

de formas suspeitas e livres desenhos,

de anos, de eras, de fósseis e objetos-

de pedras deformes jogadas ao vento :

assim testemunham qual damas em jogo

a vida e a morte, as coisas e o Tempo!



São loucas falantes que admiram estrelas.

Eu sei : elas falam.

É só acariciá-las,

apenas tocá-las.

É só defendê-las das tristes esperas :

de amantes, de almas, dos chutes e estradas.



Assim como moldes plasmando lembranças

são partes exaustas da Terra cansada.

São simples, complexas, abertas, fechadas :

as pedras que tocam a beira da estrada.

As pedras que esperam, que olham e guardam...

As pedras que falam!





Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 393 vezesFale com o autor