Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
103 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57369 )
Cartas ( 21181)
Contos (12607)
Cordel (10136)
Crônicas (22252)
Discursos (3139)
Ensaios - (9064)
Erótico (13414)
Frases (44124)
Humor (18580)
Infantil (3845)
Infanto Juvenil (2800)
Letras de Música (5476)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138540)
Redação (2942)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2408)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4943)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Da Existência dos Objetos -- 12/10/2006 - 02:54 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
2. Da Existência dos Objetos

e suas Vidas



É tudo assim, muito simples:

há todo dia os objetos,

há meu olhar, a preguiça,

há muita gente que corre

e alguns até que alucinam...



Todas as coisas da vida

mesmo as que não ficam vivas

são como seres que acenam

cheios de tolas memórias.

E o tempo raspa nas coisas.



Com seus buracos abertos

como ventosas que sugam

chegam minutos e engolem

todos os meus pensamentos.

São os objetos que ficam!



Para que eu viva com elas

ficam as coisas e as culpas.

Rasgo papéis, flores secas,

nego o arquivo do tempo.

Nego-lhes –certa- a vida!



Mas os objetos caminham.

Voltam das festas e acenam,

trazem pessoas ocultas.

Como fantasmas que invadem

contam histórias e assustam.



Voltam com malas e roupas

-sempre pedindo uma ajuda-

como se fossem mendigos

muito carentes e aflitos.

Querem memória e abrigo!



Rendo-me então às lembranças.

Viajo distâncias absurdas

nos seus tapetes que voam:

são os objetos do mundo

testemunhando pessoas!

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui