Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
60 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59013 )

Cartas ( 21233)

Contos (13072)

Cordel (10287)

Crônicas (22188)

Discursos (3163)

Ensaios - (9398)

Erótico (13482)

Frases (46351)

Humor (19239)

Infantil (4419)

Infanto Juvenil (3662)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1335)

Poesias (138121)

Redação (3046)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2425)

Textos Jurídicos (1943)

Textos Religiosos/Sermões (5487)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->OFÍCIO DE USINEIRO -- 05/04/2013 - 07:43 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

OFÍCIO DE USINEIRO
Silva Filho
2005



O que digo aqui compagina
Com os fatos em suas facetas
Comentando a função da Usina
Que se chama USINA DE LETRAS;
Liberdade que bem predomina
É um canal onde o povo opina
O leitor, escritor e o exegeta.

Para todos, um raro momento
De trilhar um circuito global
Pra cultura só traz incremento
Qualquer um pode ser ‘imortal’;
Sendo, então, um canal de fomento
Esta Usina já cumpre a contento
O seu lauto mister virtual.

Missivistas preferem as CARTAS
Para outros já bastam ARTIGOS
Pelos CONTOS histórias são fartas
Nos CORDÉIS se conhecem amigos;
Do ERÓTICO ninguém se aparta
INFANTIL nas cores de lagartas
E DISCURSOS ou quase espigos.

Pela CRÔNICA se expressa a vida
Nos ENSAIOS se moldam valores
Muitas FRASES com fé esculpidas
Bom HUMOR contra os dissabores;
Há TEATRO com boa acolhida
E os ROTEIROS que vêm de jazidas
REDAÇÃO destacando autores.

Quantas TESES aguardam a hora
De agir sobre o conhecimento
Boa MÚSICA ninguém ignora
E até LEIS têm o seu provimento;
Na Usina o contexto se arvora
E os POEMAS são desde a aurora
Para nós - o melhor lenimento.

É prazer desfrutar este espaço
Que bem longe divulga a cultura
Não há gastos com papel almaço
E retorno já não se mensura;
Usineiros se prendem num laço
Laborando assim – sem cansaço
E o Brasil ganha rara mistura.

Neste passo, seguimos avante
Partilhando do grande projeto
Mesmo estando um pouco distante
Cada um tem papel d’arquiteto;
Bem melhor que poeta errante
É chegar como um estreante
E depois ser um bardo completo.


/aasf/

28/06/2005
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 279 vezesFale com o autor