Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
108 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57379 )
Cartas ( 21181)
Contos (12605)
Cordel (10139)
Crônicas (22257)
Discursos (3139)
Ensaios - (9064)
Erótico (13414)
Frases (44138)
Humor (18585)
Infantil (3847)
Infanto Juvenil (2802)
Letras de Música (5476)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138546)
Redação (2942)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2408)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4944)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->MARCAS -- 04/10/2006 - 18:04 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos






Recolhendo os pedaços e as marcas, papéis

palavras e músicas, e deixando no lugar o quase-

não arrisco a dizer nunca mais...



Ver todos teus “eus” ou ao menos, vários :

obriga-me a ser uma só – como pássaro solto em deserto

sem água, sem sombra.



Não combinamos cinema, jantares

nem mesmo luares a dois:

tão longe! Tão sem explicação...



As marcas são tatuagens sem licença, sem remetente

embora habites o endereço e te arvores o direito de assinar

minha pele.



As tatuagens são ambíguas : passageiras mas eternas,

insinuantes

quanto à busca do infinito.

E eu, no deserto,

passeando em lua cheia a minha espera.





Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui