Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
241 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59040 )

Cartas ( 21234)

Contos (13080)

Cordel (10287)

Crônicas (22188)

Discursos (3163)

Ensaios - (9402)

Erótico (13483)

Frases (46385)

Humor (19249)

Infantil (4423)

Infanto Juvenil (3673)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1335)

Poesias (138140)

Redação (3049)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2425)

Textos Jurídicos (1944)

Textos Religiosos/Sermões (5495)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->USINA DE BARDOS -- 20/03/2013 - 08:06 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

USINA DE BARDOS
Glosa: Silva Filho



Mote: José de Sousa Dantas
A USINA DE LETRAS VEM MOSTRANDO
OS TRABALHOS DA NOSSA INSPIRAÇÃO.


Se não for da mi’a parte ingerência
Quero aqui alinhar com José Dantas
É cantando que o mal a gente espanta
E rimando o Ser Humano tem essência.
Neste mote vou guardar conveniência
Quero mais é ver na tela o meu Sertão
Na panela tem arroz e tem feijão
Na campina sempre o galo está cantando
“A USINA DE LETRAS vem mostrando
Os trabalhos da nossa inspiração”.

Não importa donde vem o Menestrel
Qual mural é o espaço na Usina
Não importa como o vate se exprima
Só precisa ter teclado e não papel.
Na chapada o transporte é o corcel
Pro caboclo o jumento é um caminhão
Sendo humilde nunca perde a previsão
De um dia ter um filho soletrando
“A USINA DE LETRAS vem mostrando
Os trabalhos da nossa inspiração”.

Meu Nordeste – um celeiro de poetas
Vem contando a sua história em Cordel
Eu diria que caiu sopa no mel
Com um Site que reúne tanto asceta;
Cada um vai traçando a própria meta
Sem censura e sem qualquer limitação
Há quem queira enaltecer o seu torrão
Outros vão indiferentes navegando
“A USINA DE LETRAS vem mostrando
Os trabalhos da nossa inspiração”.

É o leitor que nem pensa em ser poeta
É o poeta que prefere ser leitor
Quem chegou se dizendo professor
Hoje tem uma mente mais aberta.
Todo dia a gente erra, como acerta
Não deixando se abater por um senão
O importante é ter no foco a discussão
Que permita ter a vida melhorando
“A USINA DE LETRAS vem mostrando
Os trabalhos da nossa inspiração”.

Deixo aqui mi’a homenagem à Paraíba
Que deu luz à minha amada genitora
Meu avô, mourejando na lavoura
Nunca pôde se safar da pindaíba.
Pois então foi migrar Nordeste arriba
Pra família nunca ver faltar o pão
Um jumento, uma cadela e um cordão
Triste história que agora vou riscando
“A USINA DE LETRAS vem mostrando
Os trabalhos da nossa inspiração”.

Como bardo sou também reconhecido
Pela grande importância da Usina
Só por ela nosso verso dissemina
Aqui temos um canal mui concorrido.
Ninguém liga se é lido ou não lido
Bem melhor é ser mais um na estação
Com embarque para a Grécia ou Japão
Nem que seja pela Net navegando
“A USINA DE LETRAS vem mostrando
Os trabalhos da nossa inspiração”.

Quão feliz o teu mote, José Dantas
E mui justo é o discurso que se faz
Para um Site freqüentado por loquaz
É a voz do Brasil que se alevanta.
A Usina boa semente agora planta
Num esforço que jamais será em vão
Sendo chance que se dá ao cidadão
De fazer o que sempre vem sonhando
“A USINA DE LETRAS vem mostrando
Os trabalhos da nossa inspiração”.

/aasf/.

Usina de Letras, 17.03.2003.




Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 199 vezesFale com o autor