Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
144 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58136 )
Cartas ( 21211)
Contos (12854)
Cordel (10239)
Crônicas (22080)
Discursos (3147)
Ensaios - (9225)
Erótico (13452)
Frases (45280)
Humor (18935)
Infantil (4153)
Infanto Juvenil (3230)
Letras de Música (5505)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138695)
Redação (2995)
Roteiro de Filme ou Novela (1058)
Teses / Monologos (2417)
Textos Jurídicos (1934)
Textos Religiosos/Sermões (5249)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->CENÁRIOS DO INTERIOR -- 21/01/2013 - 22:23 (José de Sousa Dantas) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

6 estrofes do 1º Cordel “CENÁRIOS DO INTERIOR – Fatos em Foco” com 84 estrofes:

Pequenas GOTAS DE ORVALHO
no amanhecer do dia
se desprendendo das folhas
sob o sol que irradia,
abrilhantando a paisagem,
um espetáculo de imagem
que a NATUREZA cria.

Uma NOITE DE LUAR
no interior do sertão,
traz um brilho especial
que desperta a emoção,
cria um CENÁRIO bonito
pela luz do infinito
que apaga a escuridão.

Um pé de CAJÁS MADUROS
embeleza um tabuleiro,
os frutos amarelados
rescendem gostoso cheiro,
parece que seu aroma
predomina o campo e toma
o espaço por inteiro.

No inverno se destacam
as flores da CATINGUEIRA,
que no ambiente exalam
aquela essência campeira
abrilhantando o vergel,
fonte abundante de mel
pra toda abelha meleira.

A cana torta e raspada
num tacho de mel fervente,
passada diversas vezes,
forma uma pasta aderente,
com goma, cravo e, por fim,
se puxa e vira ALFENIM,
que adoça a alma da gente.

Uma ARTESÃ faz um POTE
com vontade de fazer,
procurando a perfeição
e dando à arte o prazer
de quem capricha e não erra,
tirando da própria terra
a razão de seu viver.

4 estrofes do 2º Cordel “PROEZAS DOS ANIMAIS” com 84 estrofes:

O pequeno ROUXINOL,
ave distinta e nativa
da Ásia, Europa e da África,
que ao mundo inteiro, cativa;
maravilhando o Sertão
gorjeando uma canção
espontânea e criativa.

ASA BRANCA é uma ave
nômade e “voadeira”,
que se encontra presente
na cultura brasileira,
exaltada nas gargantas
de GONZAGA e de ZÉ DANTAS
e de HUMBERTO TEIXEIRA.

O CAFUTE é uma ave
extremamente pequena,
magra, franzina e maneira,
calma, tranquila e serena,
perdida dentro da rama,
se pesar não dá um grama,
corpo, asa, bico e pena.

O estampido de um TEJO
no meio da capoeira,
parece mais um trator
desmanchando uma barreira,
rasgando pedreira e mato
ou um avião a jato
da força aérea guerreira.

CORDÉIS de minha autoria em parceria com o poeta Daudeth Bandeira, cada um contendo 84 estrofes de sete versos de sete sílabas, com apresentação do cordelista Manoel Monteiro, o 1º sob o título CENÁRIOS DO INTERIOR – Fatos em Foco, abrangendo temas vinculados à Natureza, às Plantas e ao Homem, e o 2º intitulado PROEZAS DOS ANIMAIS. Exemplares publicados em janeiro/2013, disponíveis com os autores, em bancas e livrarias.

 

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui