Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
109 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57528 )
Cartas ( 21184)
Contos (12627)
Cordel (10183)
Crônicas (22288)
Discursos (3141)
Ensaios - (9091)
Erótico (13416)
Frases (44308)
Humor (18625)
Infantil (3910)
Infanto Juvenil (2856)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138251)
Redação (2948)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2412)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4989)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->vedado o implícito -- 05/09/2006 - 00:34 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos




No sabor da madrugada, compilo.

Faço duas vezes o mesmo, regrido - avanço no ar:

Preciso saber que te tenho, na noite,

No meio da alma e do peito.

Da sorte de ser parte tua,

De haver conhecido e perder,

Te encontrar entre os dias e as coisas,

Como alma que esbarra na escada.



Na estrada do meu coração, como linho amassado,

Na estrada de toda essa gente, com caras, com mãos.



Na estrada rotina e mesmice, nas mesas, nos bares,

Nos pobres altares sozinhos, balcões sem dono.



No sono, no sonho.

Num universo perdido

Que é triste e sombrio,

É frio e sem dono, sem ti,

Sem mim.



Como farei para amar,

Como juntar as verdades

Alinhavando as mentiras?

Te pego num passe de mágica,

Te creio só meu, te invento- inteiro e só.



Compilo palavras e cheiros.

Percebo o suor e o afeto, renego,

Refaço os pedaços que jogas,

Como pedras.

Finjo que sei do que falas,

Que posso saber da tua vida, mentiras,

Verdades eternas.

Principalmente

Entre as minhas pernas.



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui