Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
96 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57395 )
Cartas ( 21182)
Contos (12616)
Cordel (10141)
Crônicas (22260)
Discursos (3139)
Ensaios - (9065)
Erótico (13414)
Frases (44153)
Humor (18595)
Infantil (3853)
Infanto Juvenil (2804)
Letras de Música (5476)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138563)
Redação (2942)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2409)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4945)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Contradições -- 05/09/2006 - 00:17 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


CONTRADIÇÕES



Por quê dormir após o sol,

como se fosse a vida essa lógica brutal?



Quero te resgatar das incongruências domésticas,

das coerentes armações do trilho civilizado,

quero te ver -sem saber que viria a te encontrar-

esquivando o ranço cauto da mesmice.



Meu coração precisa respirar.



Pesco você o tempo inteiro,

achando teu nome em meio aos sinais.

Conto contigo para esquecer

o Tempo.; o tempo todo.



Conto com a ilusão de viver teu suor

- de saber que te tenho,

de enfrentar teu amor-.

Conto sabendo provável

nunca poder contar.



E por isso a magia que tens

é tatuada na ausência do estar

-estilhaço fincado no chão-

amarrado na essência do ser...

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui