Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
102 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57544 )
Cartas ( 21185)
Contos (12635)
Cordel (10186)
Crônicas (22291)
Discursos (3141)
Ensaios - (9093)
Erótico (13416)
Frases (44321)
Humor (18630)
Infantil (3914)
Infanto Juvenil (2858)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138271)
Redação (2948)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2412)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4993)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Licença -- 02/09/2006 - 23:30 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Licença



Peço licença

para compactuar.

Permissão para contar

quantos são os segredos

que escondo de você.



Sem palavras - e sem bandeiras.

Segredos que moram

na beira de mim ao entrar.

Segredos que esbanjo em janelas

(de olhos)

somente escondidos do sol

para ti.



O sol : esse que fazes nascer,

que cultivas,

que atiras na alma ao chegar,

e que pescas no céu para mim.

Que trazes

até mesmo à noite

na tua presença

(e na voz).



Nunca saberei se me enganas:

jamais!

Talvez nem eu saiba perguntar.

Ou mesmo não queira saber.



Conhecer, de tua alma,

segredos infames,

calotes e danos,

mundanos e ardentes

-como os meus-

para quê?



Talvez não te livre da culpa,

de não precisar entender.

Ou então tu não queiras saber.



Por isso eu confesso

que escondo os segredos

que queres esconder.

E então compactuamos

em sã convergência

-nós dois-

para amar.



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui