Usina de Letras
Usina de Letras
64 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59276 )

Cartas ( 21241)

Contos (13148)

Cordel (10297)

Crônicas (22219)

Discursos (3164)

Ensaios - (9464)

Erótico (13486)

Frases (46713)

Humor (19313)

Infantil (4488)

Infanto Juvenil (3785)

Letras de Música (5484)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138414)

Redação (3059)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5564)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Chuva fina -- 31/07/2006 - 00:06 (gisele leite) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Chuva fina



Chuva fina

Intensa , constante

Molhando tudo adiante

Molhando caminhos

Secos, sujos e marcados...





Lama, o sussurrar da

chuva na telha

a lhe confidenciar de onde vem,

para onde vai ...



chuva fina

gotículas invisíveis

fazem umidade palpável ,

renda delicada de água e vento

de névoa e nuvem



tempo propício

para reflexão

os relógios se entreolham

e badalam quase em contracanto

com a chuva no telhado



os animais acanhados, encolhidos

buscam abrigos

o homem apressado

busca a marquise

a senhora gorda com seu enorme

guarda-chuva vermelho

espalha mil gotículas, e lama

por causa da poça em que fincou

o pé.



As botas,

As capas

Os sobretudos

O tom cinza do céu,

Tudo combina entre si.



A nuvem escura no horizonte

Um sol tímido a não secar nada,

Permanece embaçado

Adiante da chuva

Chuva e sol

Bradam as crianças: casamento de espanhol.!



Sol e chuva:

Bradam novamente as crianças:

Casamento de viúva! ..

Haverá borrascas repletas de água e vento

Mas jamais esquecerei os bordões

infantis





Chuva fina

Pensamentos delicados

Voláteis

Experimentam o espaço da imaginação

Sem- fim.

Escorrem pelas frestas exíguas de

Meu espírito.



Abro a janela devagar

Respiro fundo o cheiro da terra

O agridoce inverno

Linear como todas gotas de chuvas

Paralelas entre si

Infinitas em suas trajetórias

A migrarem das nuvens

Para aportarem no chão, no mar, no campo

Que as vezes de tão quente

Transformam em vapor

Toda a benesse líquida de água

A água da chuva



Pensamentos em pororoca

Vai pulando, pulando de minha alma-lama

E contagiando o papel

As letras

As canções

Os ritmos secos da chuva molhada

A sincronia de meu coração único

Com meus pensamentos múltiplos

Constroem uma massa amorfa



Inodora,

Insípida

Incolor

Imperceptível

Aos olhos vulgares

Aos climas rotineiros

A meteorologia

Implacável.



Quanto tempo vai durar essa chuva?

Quanto tempo vai durar esse pensamento ?

Pesado como um pêndulo a me mostrar o cíclico

De tudo

Da chuva, do sol

Das manhãs e das noites

De ter você e

De perder você.

Chove fino em meu coração.

E ainda não é meio-dia.









Comentarios

Paulo Miranda  - 23/12/2020


Pura delícia pluvial.

O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui