Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
213 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58162 )
Cartas ( 21211)
Contos (12859)
Cordel (10239)
Crônicas (22095)
Discursos (3147)
Ensaios - (9230)
Erótico (13453)
Frases (45309)
Humor (18940)
Infantil (4163)
Infanto Juvenil (3236)
Letras de Música (5506)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138722)
Redação (2997)
Roteiro de Filme ou Novela (1058)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1934)
Textos Religiosos/Sermões (5254)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->BATICO -- 30/06/2005 - 12:37 (Orlando Batista dos Santos) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
BATICO

O mascate fez de tudo para não ser visto, ao passar em frente ao escritório da fazenda, com sua caminhonete abarrotada de tecidos e outros artigos domésticos para serem vendidos aos colonos. A entrada sorrateira devia-se ao fato de o mesmo não querer correr o risco de deixar um “agrado” no escritório da fazenda na hora de tirar a licença para fazer negócios. Julgando ter passado sem ser visto, foi fazer seu comércio, e de fato, acabou auferindo bons lucros, com a venda de lençóis, fronhas, travesseiros e cobertores; com a venda de saias plissadas para as moças, vestidos rodados para as senhoras, calças rancheiras para os homens, e tecidos: de brim, de seda, de linho e de cambraia, e ainda pentes, espelhos, laquês, ruges e batons. De tudo o mascate vendeu na Colônia da Olaria.
Feliz por ter realizado boas vendas, o mascate bateu em retirada, mas avistou, do alto do espigão, um trator atravessado na estrada e atinou que sua pessoa podia estar sendo objeto de uma armação. E estava; inconformado com a manobra do intrometido, o fiscal da fazenda providenciou o bloqueio da estrada, na esperança de ir à forra. Falaria ao mascate, poucas e boas, cobras e lagartos. Depois do “sabão” ainda cobraria uma multa, pesada multa, pela falta de licença para vender na fazenda.
Para escapar do cerco o mascate voltou em marcha-ré, pegou um desvio para sair em outra estrada, mas enroscou-se numa velha e pequena ponte, perto de onde Rosalvo e seus filhos capinavam. De lá os roceiros podiam ouvir: vuuuu...vu-vu-vu; vuuuuuuuuuu! Os lavradores não pensaram duas vezes para irem em socorro do pobre motorista.
- Arre égua, seu Turco! Desse jeito cê nunca vai saí daí - falou Rosalvo admirado, por ver a caminhonete do mascate entalada.
- Batrício tira gaminhon gom seu gente.
- Tira nada; carro muito assentado. Trator da fazenda puxa.
- Trator buxa non, trator buxa non! Trator machuga gaminhon... batrício tira gaminhon... bor favor!
- Tá bom, seu Turco; mais qui vai demorá, isso vai...
- Non bode demora. Brecisa fechar gaixa do loja. Non gonfia embregado.
- Intão vamo tê qui arriá a ponte. Acho mió si aquetá.

Desmontar a ponte era mesmo a melhor alternativa. Mesmo porque era de construção antiga e improvisada, constituindo-se basicamente de dois troncos de aroeira, um em cada margem do pequeno riacho, duas vigotas transversais, e tábuas fechando o vão, tocando a superfície da água. Conquanto fosse um trabalho demorado, era a única forma de garantir a integridade da máquina em sua retirada.
E assim foi feito. Rosalvo e seus filhos começaram a arriar a ponte solapando os esteios e despregando as tábuas com pé-de-cabra. Aflito, de vez em quando o mascate solicitava pressa, porque tinha hora certa para fechar o caixa de sua loja na cidade.
- Assim num dá; num sei si trabaio, o si ti iscuto! - Falou o pobre roceiro um tanto contrariado.
- Non bode demora. Brecisa fechar gaixa do loja. Non gonfia embregado.
- Arreda, seu Turco; favô sentá nu sombrá, só vortá quando eu chamá!
Quando o mascate afastou-se, Zé carro perguntou ao pai:
- Pai: quanto u sinhô vai cobrá pelo siviço?
- Nada, mo fiu, nada. Dinhero num é tudo. Quem acode us disvalido fica di bem cum Deus.
Rosalvo estava mesmo imbuído em ser apenas solidário. Sabia muito bem o valor da ajuda mútua e aprendera desde cedo que em certos momentos Deus se faz presente através do socorro feito por pessoas desinteressadas. Quando um companheiro caía de cama, todos vizinhos se prontificavam em acudir-lhe, capinando sua roça, fazendo sua colheita...pelo menos era assim ali na fazenda, sendo “todos por um e Deus por todos”.
- I si u home oferecê um agrado? - insistiu o moleque.
- Aí é diferente. Vai da consciêça dele.
Mal Rosalvo acabara de falar e o mascate chegou:
- Agora sai; dois buxa, dois emburra e gaminhon sai.
Dito e feito: duas pessoas puxando e duas empurrando, não foi preciso fazer muito esforço para a caminhonete sair do leito do córrego intacta. Os olhos do mascate faiscavam de contentamento. Dizendo “batrício amigo, batrício amigo”, retirou uma camisa xadrez que sobrara de suas mercadorias e apontou para Rosalvo:
- Gombra, batrício, gombra?
- Batiço num qué compa nada  respondeu surpreso o lavrador.
- Gombra, batrício...
- Vá simbora, seu Turco!
- Turco non; libanês do Armênia!
- Vá simbora, batiço, o eu boto essa pexte de vólita na água!
O mascate entrou na caminhonete, bateu a porta enfezado, botou a cabeça pela janela e repetiu:
- Libanês do Ar-mênia; do Ar-mê-ni-a! - E acelerou. O roceiro permaneceu ali quieto, parado, e, enquanto observava a poeira que ainda cobria a estrada, pensava: “batiço inda vólita, ah se vólita!”
Contemplando uns poucos rabiscos que fizera na areia, Zé Carro ainda perguntou:
- Pai: qui qui qué dizê “batico”?
Fitando o moleque, o lavrador a custo respondeu:
- Nada, mo fiu, nada...

( este conto faz parte do livro "Heróis Caipiras", deste autor)

============================
Acesse:
http://caipiraliteral.com.br
http://culturacaipira.uniblog.com.br
http://orlandobatista.uniblog.com.br
============================


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui