Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
81 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59040 )

Cartas ( 21234)

Contos (13081)

Cordel (10287)

Crônicas (22188)

Discursos (3163)

Ensaios - (9402)

Erótico (13483)

Frases (46385)

Humor (19249)

Infantil (4423)

Infanto Juvenil (3673)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1335)

Poesias (138140)

Redação (3049)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2425)

Textos Jurídicos (1944)

Textos Religiosos/Sermões (5495)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->CARTA AO MUNDO -- 18/08/2011 - 08:30 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:131438346742777500

CARTA AO MUNDO
Silva Filho


Prezados donos do mundo
Sou um simples brasileiro
Vivendo aqui no Brasil
Chamado “grande celeiro”
Trabalhadores não faltam
Como não faltam doleiros.

Em passado não distante
O futebol já foi arte
A seleção do Brasil
Fez nome por toda parte
Mas com dinheiro sobrando
Jogador prefere Kart.

A economia cresce
Bolsa-Família também
Para não ficar pra trás
Tem ladrão no vai-e-vem
Em cada metro quadrado
Você conta mais de cem.

O povo tem na memória
Momentos de liberdade
Quando as balas perdidas
Não andavam nas cidades
Respeito nunca faltava
Tampouco autoridade.

Mas hoje a coisa tá preta
Ninguém pode andar na rua
Roubam carro, celular,
Jóias, roupas, carne crua.
Mulher com vestido caro
Com certeza fica nua.

Hoje vivo confinado
Sem no mundo ver beleza
Numa casa gradeada
Tenho a minha fortaleza
Trabalho, lazer e culto
Fica tudo na represa.

Por telefone eu peço
Comida do restaurante
Peço pizza, sanduíches,
Junto com refrigerante
Também peço meu remédio
Da farmácia itinerante.

Peço arroz, peço feijão
De qualquer supermercado
Peço até um doutor
Pra ver se estou aloprado
Mas não saio desta casa
Para ser um baleado.

Nunca posso ir ao Shopping
Ir ao Banco nem pensar
No novo Dicionário
Não há verbo PASSEAR
Circular ninguém consegue
Nem mesmo pra trabalhar.

Na TV eu tenho visto
Que os bandidos apanhados
Já são velhos conhecidos
Muitas vezes condenados
Que pernoitam na cadeia
E depois são liberados.

Vejo por alguma fresta
Das armas o movimento
Fuzis e metralhadoras
Granadas, equipamento,
Que antes foram de guerra
Hoje são nosso tormento.

No Brasil, os governantes
Não conhecem violência
Porque não falta escolta
Para quem é EXCELÊNCIA
E o Povo que se dane
Com a sua negligência.

A Justiça diz que segue
O mandamento da lei
O Congresso, apressado
Faz a lei pra sua Grei
Se lhe falam sobre crimes
A resposta é: NÃO SEI!

E OS DIREITOS HUMANOS
A que o Povo tem direito
É DE PAGAR MUITO IMPOSTO
E não ter sequer um leito
Quando alguém é baleado
A SAÚDE NÃO DÁ JEITO.

BANALIZAÇÃO DA VIDA
É o que temos na verdade
Ninguém sabe no Brasil
O que é PRIORIDADE
E assim sobe no ranking
BRASIL-CRIMINALIDADE!

O consolo que nos resta
É o conselho da Polícia:
“Não reaja com bandido
Não reaja com Milícia
Entregue tudo que tem
Que depois vem a perícia”

Se você é estrangeiro
E não quer sofrer um baque
Quando for fazer turismo
Vá direto ao Iraque
Porque lá tem segurança
Por aqui só temos crack.

/aasf/
18/08/2011

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 453 vezesFale com o autor