Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
101 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57092 )
Cartas ( 21170)
Contos (12605)
Cordel (10090)
Crônicas (22211)
Discursos (3136)
Ensaios - (9014)
Erótico (13401)
Frases (43740)
Humor (18476)
Infantil (3788)
Infanto Juvenil (2712)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138303)
Redação (2926)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4885)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->Frei Dimão estipula as condições para a absolvição -- 13/07/2011 - 13:34 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Leio com toda atenção
O que vens de confessar
E pecado de baile ou portão
A hora é de analisar

Preciso saber com clareza
O que por ali se passou
E não me será surpresa
Se o que era doce acabou

Sei, buscas a absolvição
E podes comigo contar
Pois anjos em legião
Vão fazer-te levitar

O pecado que cometeste
É de suma gravidade
Sei meia maçã comeste
Mas por que só a metade

Esse espírito todo festivo
Contraria o mandamento
Severo co´o que é nocivo
E a favor do entendimento

Mas vamos ao que interessa
Como ganhar o perdão
Não é assim com pressa
Que se chega à salvação

Antes da pressa a prece
Dita de forma espevitada
Aí sim, é que se merece
Dos males ser perdoada

Daquele portão traiçoeiro
Lembrança furtiva terás
Aquilo é um cativeiro
Sob a chave do Satanás

E em baile ainda falas
Como de doce aconchego
Mas é no escuro das salas
Que o bem ao mal pede arrego

E pelo que vejo há anos
Nessa tua vida secular
Agarrar a gregos e troianos
É no mínimo vacilar

Indagar me ocorre agora
E responde sem mudar de tom
Se tiveste longe, outrora
Blusa verde de banlon

A pergunta faz sentido
Pois com meus olhos assisti
O levantar brusco da libido
Fazendo coisas do saci

Tiveste namoro atroz
Desses bem explosivos
Que te fez perder a voz
Fazendo atos lascivos?

Pois aqueles anos sessenta
Que me fixam na memória
Constituem u´a sarna bobenta
De uma vida toda inglória

Os embalos do rock-n-roll
Com Bill Haley e seus cometas
Tiveram seu lugar ao sol
Agradando a todos capetas

E essas loucuras hodiernas
Constituem só agravamento
Por meio de festas modernas
Que depravam até convento

As sacras escrituras
De ti outra cousa exigem
E das formas a mais segura
É que te mantenhas virgem

E nisso posso auxiliar
Com o rigor da abstinência
Em meu próprio catre, um altar
Pra afastar a concupiscência

O horário mais acertado
Para o pecado afastar
É aquele que for combinado
Mas antes do sol raiar

Isso tudo agora te digo
E pelo Criador é que juro
Se me queres como bom amigo
Melhor amigo é no escuro

Far-te-ei as contas rolar
Uma a uma passivamente
Até a reza nossa acabar
E clarear-te pois a mente

Depois da Salve Rainha
Entra o Ofício da Conceição
Aí então já bem mansinha
Estarás livre do malvado Cão

Aí as mãos trabalham
No mais incessante labor
E dificilmente falham
Quando o fazem por amor

Mãos que ora tremem
Pelo tanto que pelejam
Ora exprimem ora espremem
Enquanto o bruto sacolejam

Na certa hão de produzir
Até se gritar socorro
Algo que chega a luzir
De viscoso, o sacro jorro
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 488 vezesFale com o autor