Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
51 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57091 )
Cartas ( 21170)
Contos (12604)
Cordel (10090)
Crônicas (22209)
Discursos (3136)
Ensaios - (9013)
Erótico (13401)
Frases (43733)
Humor (18475)
Infantil (3786)
Infanto Juvenil (2710)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138298)
Redação (2926)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4885)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->Cordel a quatro mãos - Nanda e Frei Dimão 22/06/11 -- 21/06/2011 - 10:09 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


 

Vou confessar-lhe, Frei Dimão,
E espero a absolvição:
Entreguei-me à tentação
Mas só namorei no portão.

É coisa até tolerada
o tal namoro de portão
no entanto estás condenada
se tocaste no freio de mão...

Se soubesse que a penitência
Ia ser tão braba assim
Dava fim à abstinência
E completaria o festim!

O rigor da penitência
é pra no pecado por fim
mas terias plena indulgência
se só pra mim fosse o festim

O sacristão enxerido
Lembrou-me que Frei Dimão
É todo comprometido
Co`a santa religião.

Já peguei aquele enxerido
bem com a boca na botija
pois em matéria de cupido
ao ver fêmea ele se mija


Cê que tem autoridade

Não maltrate o sacristão

Tenha dele piedade

Se o encontrar no portão.


Esse sacristâo, eu não sei
pois bem safado me parece
tem horas que tá muito gay
e noutras, ninguém merece

 

Será que ele é vira-folha?

Eu nem prestei atenção

Acho que estava zarolha

Na hora da agarração.

 

Esses estados não comento
por voto de castidade
mas o que ora mais lamento
é o ser eu e não ele  o frade

 

Vô contá  procê, ó frei

Que o  sacristão é  bonzim

Se é bonito eu não sei

O portão tava escurim.

 

Só merece reprovação

ir por essa via perigosa

pois no escuro u´a boba mão

pode tocar onde se goza

 

A Nanda agradece

A sábia  admoestação

Pois no  perigo  perece

Amar no escuro do portão

 

O escuro se presta
a tanta devassidão
vai ver no meio da festa
ele fez muita apalpação

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 312 vezesFale com o autor