Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
207 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59138 )

Cartas ( 21236)

Contos (13105)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46521)

Humor (19282)

Infantil (4461)

Infanto Juvenil (3729)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138241)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5526)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Humor-->O PESADELO -- 20/09/2003 - 11:12 (Benedito Generoso da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. O PESADELO

Encontrei um esqueleto
De um negro feiticeiro,
Nas mãos tinha um pandeiro,
No pescoço um amuleto;
Passei a mão num graveto
E bati no seu traseiro,
Gritei alto e zombeteiro:
- Acorda, fantasma preto!

A caveira levantou
De repente, num revés,
Foi contanto até dez
E em seguida me encarou;
Gargalhando assim falou,
Agarrando-me nos pés:
- Eu já fui o que tu és,
Tu serás o que eu sou.

Pedi aos restos mortais
Da medonha Entidade
Que tivesse piedade
E compaixão dos meus ais:
- Vai pra junto de teus pais,
Nos confins da eternidade,
Dá-me agora a liberdade,
Que não te verei jamais.

Ele ficou pensativo
E, após um tempo absorto,
Apontou-me o dedo torto
E falou muito incisivo:
- Passei a vida cativo,
Na morte achei meu conforto,
Não sou mais um vivo-morto,
Sou agora um morto-vivo.

Depois me fez um apelo,
Dizendo-se apaixonado,
Se eu lhe fizesse agrado,
Jamais tornaria a vê-lo;
Para não aborrecê-lo,
Dei-lhe um beijo prolongado
E acordei muito assustado;
Que horrível pesadelo!

BENEDITO GENEOSO DA COSTA



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 101Exibido 650 vezesFale com o autor