Usina de Letras
Usina de Letras
16 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 61962 )

Cartas ( 21333)

Contos (13252)

Cordel (10444)

Cronicas (22531)

Discursos (3236)

Ensaios - (10264)

Erótico (13560)

Frases (50375)

Humor (19998)

Infantil (5391)

Infanto Juvenil (4725)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1375)

Poesias (140716)

Redação (3290)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1956)

Textos Religiosos/Sermões (6141)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->SIMPLESMENTE MULHER -- 08/03/2006 - 17:39 (ALEXANDRA APARECIDA JAHNEL PASCOAL) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos




Simplesmente mulher





Filhas da grande Mãe, senhora da criação.;

tendes o poder da terra no ventre,

o poder dos ventos nos olhos,

o poder das águas na alma,

o poder do fogo no coração.



Filhas de Gaia, senhora da terra.;

que de teus olhos mares se formam,

que de teu coração o mundo aqueces,

que de tua vida farta de beleza a eternidade,

que de tua alma flui o prana que nutre o universo.



Filhas das Deusas, senhoras da vida.;

em teus colos embalastes heróis e deuses,

de teus seios sorveram leite de glórias e honra,

de teus sonhos forjaram planos de conquista,

de tua sabedoria incrustaram diamantes na história.



Muitos não lembram seus nomes, e por outros te chamam,

outros não respeitam tuas cores, teus credos, teus medos.;

quisera viver em um mundo em que clamassem por nosso nome

e respeitassem nossos limites e sinas.;

quem dera tivéssemos limites, pois fazemos tanto,

tamanho nosso esforço, ainda nos resta muito mais.;



A luz damos a rebentos e deles não a recebemos, mas os amamos.;

o coração despedaçado por um ou por muitos, mas em pedaços.;

personificamos a Deusa a cada dia,

temos a pureza da donzela ao amanhecer,

somos fortes sacerdotisas ao entardecer,

adquirimos a sabedoria da anciã ao anoitecer.;

mas alguns tocam a lua negra, nossa face sombria

e maldições são conjuradas e lançadas ao vento.



Somos a tempestade e a calmaria, brisa suave ou ventania.;

mar em fúria e logo a seguir, uma enseada enluarada.;

somos o próprio vento, que sopra ao norte e retorna do leste.;

o vulcão que explode, a lava que consome e que é contida pelo oceano.;

somos a nuvem que não se dissipa, o azul mais profundo do céu.;

somos todas as horas do dia, claras, turvas, escuras.;

somos toda a semente que quer vingar e crescer,

sou aquela semente que quer renascer,

frágil, diminuta, com medo mas que sabe o que quer,

ora ser flor ou ser folhagem é o que quer,

nunca dar frutos ou sempre criar sementes é o que quer,

transformar-se em árvore ou em pequeno arbusto é o que quer,

tocar o céu com muita vertigem ou viver no chão é o que quer,

sentir medo do escuro ou enfrentar a solidão é o que quer,

chorar pela ilusão ou dar ouvidos à razão é o que quer,

simplesmente ser uma mulher.

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui