Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
181 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59106 )

Cartas ( 21236)

Contos (13107)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9434)

Erótico (13481)

Frases (46493)

Humor (19273)

Infantil (4456)

Infanto Juvenil (3718)

Letras de Música (5478)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138218)

Redação (3051)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5518)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->PLANETA TERRA -- 28/02/2006 - 20:43 (Domingos Oliveira Medeiros) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

PLANETA TERRA

(por Domingos Oliveira Medeiros)



No início de tudo, o nada. O vazio absoluto. A ausência total.

O silêncio profundo. A fagulha primeira. A primeira explosão.

A energia maior do Criador dos tempos. Deu-se a transformação.

O começo do mundo. A imensidão do universo. O espaço sideral.

Galáxias e planetas. Vizinhos de estrelas e cometas. O Infinito é total.

Dois infinitos, melhor dizendo: o infinito para cima, assim imaginado.

E o infinito para baixo, o infinito invisível, minimizado.

De onde viemos e para onde iremos, a indagação permanece.

Surgem respostas, sem solução. O passado remoto ninguém conhece.

Numa certa galáxia, no planeta TERRA, o nosso recanto foi planejado.



Há milhares de séculos , surgia nossa casa. O nosso cantinho.

Com três dimensões e quatro elementos. A receita do Mestre da Criação.

A terra, o chão.; a água, a vida.; o ar e o fogo, a transformação.

A nossa morada. O nosso habitat. A mãe natureza, com todo carinho.

Nos alimentando, de flores e frutos, mostrando o futuro e o nosso caminho.

Da água e da terra, do barro molhado, do sopro divino, o ser foi criado.

Com o sentimento do amor mais puro, o mundo, ao homem, foi doado.

Plantou-se a liberdade. Regou-se com responsabilidade. Criou-se o paraíso.

Que o homem, mais tarde, quebrando o contrato, perdendo o juízo.

Por ela tentado. Embora alertado. Inaugurava, no mundo, o primeiro pecado.



A chama que arde, na era do fogo, na lembrança, a sentença.

O réu castigado. Viverás - viveremos todos - do suor do teu rosto.

Assim, suados, homens de bem e do mal, na forma do que foi imposto.

Descobriram o pecado que fez, da pureza, mais tarde, a esperança.

Porque o mundo tridimensional foi dividido entre a paz e a desavença.

Porque o homem continuou cometendo erros. A existência está ameaçada

O fogo da paixão e da ganância crepita na selva. Mais uma queimada.

A natureza tem sido maltratada. Estamos indo para o final: o início de tudo. Para o vazio. A persistir a uso do fogo pelo incendiário. Não me iludo.

O mercúrio derretido, escorre pelos rios. Em breve, a vida será encerrada.



O primeiro dilúvio se fez com água. E nova oportunidade nos foi dada.

Através de Cristo, que se fez homem. Deu Sua vida, livrou-nos dos pecados.

A Boa Nova faz pouco tempo. Não mais que dois mil anos passados.

Pouco, se comparado ao dia da tentação e da sentença anunciada.

Continuamos trilhando por caminhos diferentes da lição ensinada.

Os cuidados com a vida. Com a água, e com o ar que respiramos. O conviver.

Com o fogo para cozinhar, para o tempo mudar, proteger do frio, aquecer.

Transformar os metais, como o ferro e o ouro. Para moldar e poder expressar.

As nossas artes, os nossos inventos, sonhos e sustentos. O ferro criou o aço.

Vieram aviões, as nossas buscas, a tecnologia e o conhecimento do espaço.



.

Assim é o fogo. Elemento que transforma a matéria para o nosso bem.

Que dá suporte à criação. Realidades construídas por sonhos alcançados.

E vice-versa. Em fornos variados. O ouro escorre em graus determinados.

De temperatura. O mercúrio, em tubos de vidro, auxiliam à medicina.

O sólido virou líquido. Monitora e auxilia no diagnóstico. A doença elimina.

Não podemos fazer a opção errada: pelo fogo que extermina. Que desmata.

Que asfixia. Que bombardeia. Que explode, que mutila, destrói e mata.

A ciência, quando bem feita, de Deus nos aproxima. A almejada eternidade.

A opção que se faz é única: pela paz. Pela prática da fraternidade.

Apagar o fogo da discórdia. Da inveja e da indiferença. Da atitude insensata.



Só assim estaremos livres do segundo dilúvio. O mundo em chamas. Acabado.

Nos céus hão de pipocar fogos de artifícios, estrelas e cascatas luminosas.

A humanidade de mãos dadas. A luta, agora, travada em versos e prosas.

Comemoremos a paz entre homens e nações. O mundo inteiro unificado.

A cooperação, no lugar da concorrência, a garantia do planeta bem cuidado.

Restabelecidos crenças e valores. Em sintonia com os bons ensinamentos.

A família, a ética, a moral, o culto às virtudes, ditam novos comportamentos.

A ciência e a religião, de braços dados, de volta aos trilhos da verdade.

Da verdade absoluta. Sem rodeios, sem artifícios, sem desvios, sem maldade.

Fim das utopias. Tudo é possível. O mundo ressurge em milagres infinitos.



















Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui