Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
229 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58158 )
Cartas ( 21211)
Contos (12857)
Cordel (10239)
Crônicas (22095)
Discursos (3147)
Ensaios - (9229)
Erótico (13452)
Frases (45305)
Humor (18939)
Infantil (4161)
Infanto Juvenil (3235)
Letras de Música (5506)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138721)
Redação (2997)
Roteiro de Filme ou Novela (1058)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1934)
Textos Religiosos/Sermões (5253)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->CONFLITOS E INCOERÊNCIAS -- 03/12/2006 - 18:36 (GERMANO CORREIA DA SILVA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
CONFLITOS E INCOERÊNCIAS
(Por Germano Correia da Silva)

Certa vez eu resolvi
Voar pelo tempo afora
E sem querer descobri
O que vou narrar agora

Visitei mundos imperfeitos
Mil conflitos doutrinários
Muitos deles insatisfeitos
E outros meio temerários

Vi desmandos e sordidez
Nessa minha caminhada
E o povo mais uma vez
Disse não saber de nada

Sem delonga e/ou altivez
Eu fui direto ao assunto
E informo mais uma vez
Que meu povo não "chegou junto"

Eu vi uma democracia
Cuidando mal do seu povo
E temi que a autocracia
Mostrasse as caras de novo

Notei que a plutocracia
Exerceu bem seu papel
Forçando a tecnocracia
A se despir num bordel

Quanto à aristocracia
Ela se fez de coitada
Juntando-se à burocracia
Que se disse injustiçada

Vi um grande teocrata
Numa tremenda euforia
Dentro de uma casamata
Torcendo pela anarquia

Mesmo contra o moralismo
Deu seqüência ao manifesto
E afirmou que o casuísmo
Tem apoiado o seu gesto

O comunismo protestou:
E retirou de circulação
Toda “gordura” que restou
Dos meios de produção

Eu vi que o capitalismo
Quis pousar de homem mau
Dispensando o moralismo
Que cuidava do seu capital

E o socialismo retrucou
Alegando que foi traído
E que o seu povo tramou
Sem ele ter percebido

Quis usar a sua doutrina
Voltada para o bem-comum
Mas em seguida determina
A eliminação de mais um

Sobrou para o protecionismo
Para indústria e pro mercado
Que se juntam ao consumismo
E compram um carro importado

Que fez críticas à aduana
A de antanho e a de agora
Mas logo ele entrou em cana
Porque “faturou por fora”

E atribuiu ao moralismo
Tudo o que lhe aconteceu
E que foi por casuísmo
Que sua luta arrefeceu...

Outros fatos vêm ocorrendo
Nesse mundo de Meu Deus
E esse meu povo sofrendo
Sem dar os pulinhos seus

A Mídia noticia os fatos
De um modo bem natural
E a Ética assume seus atos
Sejam os do bem ou do mal

Não sou contra nem a favor
Das manobras e/ou emendas
Também se o povo não o for
A Justiça que o compreenda.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 17Exibido 783 vezesFale com o autor