Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
153 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59127 )

Cartas ( 21236)

Contos (13112)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46510)

Humor (19279)

Infantil (4457)

Infanto Juvenil (3725)

Letras de Música (5478)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138227)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5523)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->*NO ESCURINHO DO CINEMA -- 18/08/2009 - 15:22 (Sonia Nogueira - *sogueira*) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

*No Escurinho do Cinema* Chegando na sala escura O homem ficou aperreado Onde está a luz tou ferrado Não enxergo a fechadura Primo é assim na cidade Não precisa de tal alarde O homem olhando na tela Vendo a poeira na estrada Tampou o nariz, que barrela Vou gripar, que trapalhada O carro vem, quede a grade Não precisa primo de alarde O tiro saiu de improviso O moço gritou afobado Vou sair deste perigo Não entendo do babado A moça disse cobarde Sossega pra que alarde Para calar o moço bonito Deu-lhe um beijo na boca O moço disperso e aflito Gostou do flagra da moça A luz acendeu de repente Assim moça, fico contente Relâmpago choveu na tela Tiro zoou para todo lado O trem parecia uma janela Aberta caindo do seu lado O moço quieto esperando A moça? Fugiu do seu lado SoniaNogueira
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui