Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
201 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59120 )

Cartas ( 21236)

Contos (13110)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9437)

Erótico (13481)

Frases (46507)

Humor (19274)

Infantil (4457)

Infanto Juvenil (3722)

Letras de Música (5478)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138224)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5522)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->PRÉDIO DA ALFÂNDEGA - RIO GRANDE´-PARTE II -- 12/10/2003 - 18:39 (Leinecy Pereira Dorneles) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. Em 1817, foi solicitada a construção de um novo prédio em virtude do mau estado em que se encontrava. O outro foi levantado com frente a rua da Praia, no mesmo lugar onde se acha a Alfândega, possuía ao fundo um trapiche para descarga das mercadorias.
Através de várias necessidades, tornaram-se acanhadas as instalações existentes.
Novamente foi solicitada a construção de uma nova Alfândega, e em junho de 1874 é publicado o edital de construção. Em agosto as obras já estavam adiantadas, e despertava a curiosidade da população.
As obras foram concluídas, contudo continuaram a ser melhoradas e dado acabamento final.
Atualmente funciona a Delegacia da Receita Federal. O edifício ostenta as armas do Império e em seu interior, encontra-se o busto do Imperador D.Pedro II, em mármore de carrara.

LEINECY PEREIRA DORNELES
POETISA E ATIVISTA CULTURAL DO RIO GRANDE.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui