Usina de Letras
Usina de Letras
24 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 61962 )

Cartas ( 21333)

Contos (13252)

Cordel (10444)

Cronicas (22531)

Discursos (3236)

Ensaios - (10264)

Erótico (13560)

Frases (50379)

Humor (19998)

Infantil (5391)

Infanto Juvenil (4725)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1375)

Poesias (140716)

Redação (3290)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1956)

Textos Religiosos/Sermões (6141)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->O POETA DOS NOVOS TEMPOS -- 14/11/2005 - 03:03 (Adolfo Henrique) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
O POETA DOS NOVOS TEMPOS





Sigo madrugada adentro

Vasculhando a poesia "internética"

Em salas de bate-papo

Buscando algum resquício da alma humana

Numa procura frenética



Minha máquina de escrever diminuiu

O papel agora é uma tela

Cujas diversas funções são divididas

Pelo que eles chamam de "janelas"



A luz da luminária foi substituída

Pela luz sem graça da tela do micro

Enquanto ele corrige minhas palavras

Tornando minha liberdade obstruída



Meus livros são os sites de busca

Meus amigos agora são letras coloridas

Que sobem e descem sem cessar

Enquanto o "chat" torna-se mesa de botequim



Onde está minha máquina de escrever?!

Onde estão meus livros?!

Onde estão meus lápis e papéis?!

Onde estão meus amigos de carne, osso e alma?!

Onde estão as conversas no botequim?!

Foram tragados pelos novos tempos...

Tragados pelo "progresso".
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui