Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
28 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59040 )

Cartas ( 21234)

Contos (13081)

Cordel (10287)

Crônicas (22188)

Discursos (3163)

Ensaios - (9402)

Erótico (13483)

Frases (46385)

Humor (19249)

Infantil (4423)

Infanto Juvenil (3673)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1335)

Poesias (138140)

Redação (3049)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2425)

Textos Jurídicos (1944)

Textos Religiosos/Sermões (5495)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->BRASIL ACELERADO -- 17/03/2009 - 08:13 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:131151910681001800


BRASIL ACELERADO
(O PAC NO SAC)
Silva Filho




O Brasil pega o embalo
Em verdadeira banguela
Com pontes e viadutos
Rodovias e pinguelas;
Modernos aeroportos
Modernização dos portos
Esquecendo as Caravelas.

Obras de saneamento
E também de habitação
O Brasil de cara nova
Em constante mutação;
São cem anos em dois anos
Compensando os enganos
Que temos por tradição.

O Programa é correto
Sobre a infraestrutura
Mas não é prioridade
Nesta nossa conjuntura;
Porque o grito do povo
Já não é assim tão novo
E sem resposta, perdura.

A SAÚDE do Brasil
Em coma – jaz condenada
Um imposto PROVISÓRIO
Só pagou as marmeladas;
Faltam médicos, enfermeiros,
Instrumentos, cozinheiros,
Remédios, camas, bancadas.

Há um jogo de empurra
União para Estados
Municípios lá na ponta
E hospitais superlotados;
Gente morrendo nas filas
Tendo somente mochilas
E pesadelo dos lados.

Uma grande invenção
Há nos PLANOS DE SAÚDE
Para quem é empresário
Jorra grana amiúde;
Poucos privilegiados
Pagam pra ser enganados
Em nome da quietude.

Com a carga tributária
Que se tem neste país
SERVIÇOS ESSENCIAIS
Devem ser regra-matriz;
Pois o povo quer retorno
Em vez de tanto suborno
Nesta Nação infeliz.

A SEGURANÇA SUMIU
Temendo as balas perdidas
Os crimes são incontáveis
Colhendo diversas vidas;
Os bandidos dão as cartas
E o Governo faz apartas
Pra enfeitar avenidas.

Armas de grosso calibre
Estão na guerra urbana
Quem na rua se arrisca
Tem uma mente insana;
E o Poder indiferente
Está mandando pra gente
Uma baita de banana.

O Exército cochilou
Sem cumprir o Estatuto*
Os bandidos se encorajam
E invadem seu reduto;
Pra manter seu arsenal
Não respeitam General
Pois depois vem o indulto.

O Brasil tem Parlamento
Onde sobram foragidos
A TESE DE LEI SEVERA
Sempre fere seus ouvidos;
Porque no dia da caça
O doutor teme a desgraça
De ser um dos recolhidos.

CRESCIMENTO NA SAÚDE
E também na SEGURANÇA
Isso é PRIORIDADE
Razão da nossa COBRANÇA;
Pois cidadão moribundo
E quem foi pro outro mundo
Sucumbiram na LAMBANÇA.

Vejo que não adianta
Tanta infraestrutura
Se o povo sem SAÚDE
Nunca sabe se tem cura;
Quem no lar está trancado
Sem SEGURANÇA, ilhado
Vê CRESCER a amargura.

/aasf/
17/03/2009

* Lei Federal nº 10.826, de 22/12/2003, arts. 24 e 27
(Estatuto do Desarmamento).


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 500 vezesFale com o autor