Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
108 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59051 )

Cartas ( 21235)

Contos (13079)

Cordel (10287)

Crônicas (22189)

Discursos (3163)

Ensaios - (9406)

Erótico (13483)

Frases (46405)

Humor (19251)

Infantil (4424)

Infanto Juvenil (3679)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1336)

Poesias (138156)

Redação (3049)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5502)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->PECADO CAPITAL -- 02/03/2009 - 08:27 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:131438348222054700


PECADO CAPITAL
Silva Filho



Como é que o dinheiro
De todo este Planeta
De repente tem sumiço
Nos cofres e nas gavetas
Me digam se isso é fraude
Ou é coisa do capeta.

Tudo ia muito bem
Pelos trilhos do progresso
Bancos vendiam dinheiro
Porque tinham em excesso
O emprego não faltava
E ninguém era depresso.

Nada tinha de errado
No setor de produção
O consumo era crescente
Com o dinheiro na mão
Inda sobrava um pouco
Pra repassar ao ladrão.

Os tributos, em cascata
Escorriam aos trilhões
Os governos prometiam
Que nas quatro estações
Com os seus investimentos
Viriam mais provisões.

Mas um dia cai o pano
E por trás não se vê nada
Os banqueiros de renome
Descortinam a charada
O dinheiro que mantinham
Só tinha mesmo fachada.

E o ‘gigante americano’
Estourando a merreca
Gastava tudo com guerra
Sem poupar nem a cueca
E no final põe a culpa
Numa tal de HIPOTECA.

Como é que a Nação
Com Poder Aquisitivo
Tem seu povo na berlinda
Esperando um motivo
Pra dizer que hipotecas
Têm efeito abortivo.

De repente, todo mundo
Deixa de pagar a casa
E mesmo ganhando bem
O credor não lhe apraza
Pra cumprir o seu contrato
Ou ganhar Faixa de Gaza.

Então vem o sobe-e-desce
Como que numa gangorra
Hoje vai subir o câmbio
Amanhã vem a desforra
A Bolsa cai na cascata
Inda resmunga – Que porra!

Quem vendeu muitos imóveis
Financiados por Bancos
Mantém todo o dinheiro
Escondido em barrancos
Porque se falta nos Caixas
Muito sobra pelos flancos.

Essa é mais uma estória
Pra bovino dormitar
Pois as potências do mundo
Besta nos querem deixar
Mas o canto de sereia
Nós não vamos escutar.

Para complicar a vida
E também a pindaíba
O farsante quando cai
Inda os outros derriba
Quem só comia filé
Hoje come só muxiba.

E o socorro financeiro
Você vê em toneladas
Seguindo o mesmo teatro
Com peças mal ensaiadas
Mas o câmbio e as bolsas
Estão de barbas molhadas.

/aasf/
02/03/2009


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 481 vezesFale com o autor