Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
68 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59013 )

Cartas ( 21233)

Contos (13072)

Cordel (10287)

Crônicas (22188)

Discursos (3163)

Ensaios - (9398)

Erótico (13482)

Frases (46351)

Humor (19239)

Infantil (4419)

Infanto Juvenil (3662)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1335)

Poesias (138121)

Redação (3046)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2425)

Textos Jurídicos (1943)

Textos Religiosos/Sermões (5487)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->NA ERA DA VASELINA -- 03/02/2009 - 20:35 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:131197870816583400


NA ERA DA VASELINA
Silva Filho
(proibido a menores de 80 anos)



O Governo, como sempre
Tem pena do cidadão
Vai metendo devagar
Demonstrando compaixão
Com o ferro bem untado
Deixa outra sensação.

Com os gays - ratificou
Essa regra cristalina
Todo gay já tem direito
A uma Bolsa-Vaselina
Pra fazer uma peça grossa
Parecer muito mais fina.

Eu não posso contestar
A medida muito justa
Pois pimenta no dos outros
Certamente não assusta
Mas quem senta na boneca
É quem sabe quanto custa.

Já tem a Bolsa-Família
Considerada ‘divina’
Não faz muita diferença
Dar a Bolsa-Vaselina
A Bolsa-Preservativo
Anda com qualquer menina.

Nesse kit reforçado
Há também Bolsa-Viagra
Pra levantar o defunto
Que travou sua bisagra
E o troço emperrou
Quer na gorda ou na magra.

Falam muito em ações
Contra a PEDOFILIA
Contra a PROSTITUIÇÃO
Eu escuto todo dia
Mas estudantes recebem
Incentivos pra orgia.

Inda bem que vaselina
Tem efeito panacéia
Vem a carga tributária
Que não cabe na boléia
Mas se vem lubrificada
Não provoca dispnéia.

Que venha Bolsa-Motel
Que venha Bolsa-Curral
Para consertar as beiras
Para reforçar o pau
Porque o país do gozo
Também é do carnaval.

Se o povo está gozando
Não há do que reclamar
O fumo só vai entrando
Se o povo relaxar
Não há crise que segure
A bolsa que quer gozar.

Do Oiapoque ao Chuí
Façamos grande bordel
Deixo aqui minha proposta
Neste modesto cordel
Se faltar alguma bolsa
Será a Bolsa-Tonel.

/aasf/

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 506 vezesFale com o autor