Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
41 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59136 )

Cartas ( 21236)

Contos (13105)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46521)

Humor (19282)

Infantil (4461)

Infanto Juvenil (3729)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138240)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->“O velho e o mar” -- 19/09/2003 - 20:15 ( Andre Luis Aquino) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. Alguns livros são considerados clássicos e imperdíveis para uma boa leitura e ótimas reflexões, assim também acontece com “O velho e o mar” de Ernest Hemingway.
O livro discorre muito bem sobre assuntos como a velhice e os embates da vida que são necessários para o crescimento pessoal do ser humano, na história o pescador já idoso de nome Santiago personifica essa busca do crescimento e do “melhor se conhecer”.
O velho passa por situações limite e Hemingway apresenta todo o ferramental que o pescador possui para enfrentar tal situação de uma maneira muito clara e sem dar voltas, a narrativa do livro possui essa qualidade imprescindível para uma agradável leitura, a objetividade.
A superação de limites e a transcendência são alguns dos pontos centrais da história, Santiago estava 84 dias sem pescar nada e isso para um pescador é algo extremamente fracassado, por isso aceita o desafio de ser arrastado para águas distantes por um espadarte( em tempo: os biólogos marinhos de plantão afirmam que o tal peixe que está descrito no livro não pode ser mais pescado devido a pesca predatória, o peixe encontra-se em extinção).
O embate entre o velho e o peixe é algo realmente fascinante, a forma que o pescador trata sua presa e fala com ela num monologo maravilhoso tem que ser destacada, as qualidades humanas aqui são muito bem retratadas na figura de Santiago, o velho tem uma alma nobre e faz por merecer ser vitorioso em qualquer luta que travar.
Hemingway através de seu personagem dignifica também o peixe que é tratado aqui como um animal de alma igualmente nobre e que também poderia vencer uma luta, não foi preciso valorizar o homem e depreciar o animal, ambos aqui são dignos e vitoriosos, dotados de qualidades e defeitos.
O que é belo em livros como esse é poder entrar em contato com os valores, fantasias, sistema de crenças e com o universo em que transita o autor, através do livro nos deparamos com o que vai pela mente e pelo coração do autor, é realmente uma oportunidade imperdível de crescimento e de adquirir novos parâmetros para o pensamento.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui