Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
241 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59040 )

Cartas ( 21234)

Contos (13080)

Cordel (10287)

Crônicas (22188)

Discursos (3163)

Ensaios - (9402)

Erótico (13483)

Frases (46385)

Humor (19249)

Infantil (4423)

Infanto Juvenil (3673)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1335)

Poesias (138140)

Redação (3049)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2425)

Textos Jurídicos (1944)

Textos Religiosos/Sermões (5495)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->SERMÃO DE MENESTREL -- 24/01/2009 - 11:21 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:131197871649026900


SERMÃO DE MENESTREL
Silva Filho



Vinte e quatro de janeiro
Que saiba toda a Nação
É o dia da Carta Magna
OU DA CONSTITUIÇÃO;
Portanto, vem o Cordel
Pela voz dum Menestrel
Registrar o seu “sermão”.

A LEI MAIOR DO PAÍS
Bem que merece respeito
Por políticos, governantes
NO ESTADO DE DIREITO;
Mas com a Justiça cega
O Parlamento se nega
A enxergar seus defeitos.

ASSEMBLÉIA CONSTITUINTE
Do ano de oitenta e oito
Fez um trabalho brilhante
Sem nada ter de afoito;
Com estudos exaustivos
E também comparativos
Teve um produto recoito.

Mas políticos brasileiros
Não vivem sem as emendas
A GOVERNABILIDADE
Foi o foco das contendas;
No Poder Executivo
Ninguém aceitou o crivo
Preferindo outras sendas.

OS DIREITOS GARANTIDOS
Cláusulas pétreas e afins
Ficaram pro outro mundo
Talvez com os Serafins;
Pois DIREITO ADQUIRIDO
Foi um TERMO CARCOMIDO
Pelas pragas de cupins.

Hoje a colcha de retalhos
Já não tem a compleição
Já não tem identidade
DUMA CONSTITUIÇÃO;
De tanto cerzir os trapos
A Carta virou farrapos
Que nem servem pra colchão.

Hoje o Brasil se envergonha
DESSA FALTA DE RESPEITO
Que deixou o Parlamento
Muito abaixo do conceito;
EMENDAS PARA TRIBUTOS
EMENDAS PRA VIADUTOS
ONDE LÁGRIMAS FAZEM LEITO.

Vejam que coincidência
Com um fato constatado
Hoje também é o dia
DO POBRE APOSENTADO;
Que no mundo das emendas
Foi enganado com lendas
E os seus proventos taxados.

Mas o povo não se toca
Quando chega sua vez
Em tempo de eleição
Lá vem o mesmo jaez;
O povão nunca refuta
Porque prefere a permuta
De meia dúzia, por seis.

/aasf/


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 528 vezesFale com o autor