Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
234 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59012 )

Cartas ( 21232)

Contos (13078)

Cordel (10287)

Crônicas (22188)

Discursos (3163)

Ensaios - (9397)

Erótico (13483)

Frases (46347)

Humor (19241)

Infantil (4418)

Infanto Juvenil (3659)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1335)

Poesias (138114)

Redação (3046)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2425)

Textos Jurídicos (1941)

Textos Religiosos/Sermões (5486)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->APOCALIPSE -- 02/12/2008 - 08:33 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:131197871516781700


APOCALIPSE
Silva Filho



Do jeito que a coisa vai
Estamos no fim do mundo
Em um abismo profundo
Onde o Ser Humano cai;
Quem adentra nunca sai
Desse vulcão gigantesco
Com o seu calor brutesco
Que põe fim à nossa vida
E a paisagem constrangida
Vai perdendo seu afresco.

São diversas ocorrências
Como que um apocalipse
Marcado por um eclipse
Com todas as evidências;
Não existem resistências
Pra conter tanta desgraça
Num contexto que perpassa
O saber da humanidade
Já quase sem densidade
Sem distinção para raça.

Põe-se o pai contra filho
Põe-se filho contra o pai
E a contenda não se esvai
Nem transpõe o estribilho.
O vagão fora dos trilhos
Não atende ao seu comando
Onde tudo é desmando
Sem sinal de reverência
Se Deus não tiver clemência
Já estamos naufragando.


Na degradação moral
Não há mais valor de ética
Só restou vida sintética
Como quer o Capital.
Do Céu vem o vendaval
Como que mais um castigo
Deixando no desabrigo
Muitos seres inocentes
Que pagam por delinqüentes
Protegidos por espigo.

A vida perdeu seu preço
Por demais banalizada
Estão matando por NADA
Só por simples desapreço.
Tudo está pelo avesso
Ninguém vive sossegado
As leis formam postulado
Mas não inibem o crime
E a Justiça quer regime
Que deixe o preso folgado.

Também a Mãe Natureza
Está sendo assassinada
As matas ficam peladas
Do fogo vem a bruteza.
Os rios sem correnteza
Morrendo assoreados
Os pólos são degelados
Sofre o ar de asfixia
E o povo tem alergia
Ou pulmões arrebentados.

Doenças nunca têm cura
(A AIDS sempre na crista)
O câncer não sai da lista
Dos males da desventura.
Os produtos in natura
Já não são recomendados
Porque são envenenados
Com fortes inseticidas
E os safados fratricidas
Inda são condecorados.


Os sinais do fim do mundo
Estão visíveis na Terra
O Ser Humano encerra
Três mil anos em segundos.
Predadores vagabundos
Bem merecem as procelas
E muitas outras mazelas
Incêndios, inundações
Tsunamis, turbilhões
E as desgraças paralelas.

/aasf/



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 537 vezesFale com o autor