Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
39 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59013 )

Cartas ( 21233)

Contos (13072)

Cordel (10287)

Crônicas (22188)

Discursos (3163)

Ensaios - (9398)

Erótico (13482)

Frases (46351)

Humor (19239)

Infantil (4419)

Infanto Juvenil (3662)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1335)

Poesias (138121)

Redação (3046)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2425)

Textos Jurídicos (1943)

Textos Religiosos/Sermões (5487)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->DELITO NO LEITO -- 27/11/2008 - 20:55 (Andarilho) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:131151910342167000

DELITO NO LEITO
Silva Filho



A Natureza fez tudo
Com a maior perfeição
Dispensando correção
Pra mexer no conteúdo.
Mas o homem fez “estudo”
Envolvendo algum conceito
Começou a ver defeito
E paisagem contrastante
O RIO CHOROU BASTANTE
QUANDO ROUBARAM SEU LEITO.

Cidades que foram Vilas
E muito antes... Fazendas
Perdidas por outras sendas
Mergulhadas em argilas.
Hoje formam muitas filas
Pra falar com o Prefeito
Sem água se faz trejeito
Com a vida claudicante
O RIO CHOROU BASTANTE
QUANDO ROUBARAM SEU LEITO.

Muitas vezes o problema
Tem natureza política
Quem causou foge da crítica
E diz que foi o sistema.
Escapando da algema
O vilão pede respeito
Com um discurso perfeito
Sempre escapa do flagrante
O RIO CHOROU BASTANTE
QUANDO ROUBARAM SEU LEITO.

Pois que venham explicar
Por que tão longe das águas
O banho é feito de mágoas
Que não podem refrescar.
Quem deixou disseminar
Tantas vidas por um eito
Sem um arroio estreito
E sob um sol escaldante
O RIO CHOROU BASTANTE
QUANDO ROUBARAM SEU LEITO.

O povo não foi ao rio
Mas quer a água na porta
E a Natureza exorta
Que não quer o desafio.
A História traz um fio
Pra lembrar um bom preceito
Quem tentou tirar proveito
Foi ribeirinho constante
O RIO CHOROU BASTANTE
QUANDO ROUBARAM SEU LEITO.

Naqueles tempos passados
Chamados medievais
Perto dos mananciais
Ficavam os povoados.
No Brasil... os desgraçados
Deram tudo por bem feito
Carros-pipas dão um jeito
Diz o Coronel mandante
O RIO CHOROU BASTANTE
QUANDO ROUBARAM SEU LEITO.

/aasf/
MOTE E GLOSA: Silva Filho



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 562 vezesFale com o autor